O filme «O Colapso do Círculo Quebrado», do realizador belga Felix van Groeningem, venceu o Prémio Lux do Parlamento Europeu, escreve a agência Lusa.

«O Colapso do Círculo Quebrado» («The Broken Circle Breakdown») que, no passado mês de junho, foi distinguido com o Golfinho de Ouro para o Melhor Filme, na 29ª edição do Festival Internacional de Cinema de Setúbal (Festróia), levou agora a melhor aos dois outros finalistas, «The Selfish Giant», de Clio Barnard, do Reino Unido, e «Miele», de Valeria Golino, coprodução franco-italiana.

O prémio de cinema Lux é atribuído pelo Parlamento Europeu, desde 2007, e «visa estimular o cinema europeu e o debate sobre os valores e a atualidade social», segundo o comunicado daquela instituição europeia.

De acordo com a informação do Parlamento Europeu, o realizador belga felicitou esta iniciativa por nos levar «a ver filmes que, de outra forma, não veríamos», na cerimónia de entrega do galardão que decorreu hoje em Estrasburgo, em França.

O presidente do Parlamento Europeu, Martin Schulz, por seu turno, afirmou que os «políticos precisam dos cineastas», pois, «ao contarem histórias sobre quem somos ou quem poderíamos ser, os filmes europeus contribuem para a criação de uma consciência cultural europeia».

«Os cineastas não precisam de nós, políticos europeus, mas nós precisamos deles, os cineastas. As histórias e as emoções podem ajudar a desenvolver a identidade. Os filmes europeus reforçam o sentimento de união na Europa», remata o parlamentar.

Segundo o comunicado do Parlamento Europeu, os filmes finalistas são legendados nas 24 línguas oficiais da União Europeia, para promover a sua difusão internacional, e exibidos ao público durante os «Lux Film Days», nos 28 Estados-Membros.

Em Portugal, os três filmes finalistas do Prémio Lux foram exibidos na Cinemateca Portuguesa, em Lisboa, nos dias 21 e 22 de novembro, além do Festival de Tróia («O Colapso do Círculo Quebrado») e do Lisbon & Estoril Film Festival («Miele»), que também se realizou no passado mês de novembro.

Desde a estreia, na Bélgica, no final de 2012, «O Colapso do Círculo Quebrado» foi já distinguido com os prémios do Público e Europa Cinemas do Festival de Berlim, o prémio de Cinema Europeu do Festival Internacional do Hawai, o prémio do Público no festival da Noruega, e o prémio de Melhor Argumento no Festival Tribeca, de Nova Iorque.

Em Tróia, «O Colapso do Círculo Quebrado» conquistou ainda os prémios da Crítica Internacional (Prémio Fipresci) e o Prémio Signis, da Pastoral de Cultura.