O cineasta Leonel Vieira planeia abrir subsidiárias da sua produtora, a Stopline Films, em Macau e em Angola nos próximos dois anos, disse, na quinta-feira, à agência Lusa, durante a Feira Internacional de Macau, em que participa.

«A Stopline é a única produtora portuguesa que cresce para fora do país, começámos por Espanha e Brasil, onde estamos hoje instalados, e gostaríamos muito de, em um ou dois anos, entrarmos em Angola e em Macau, para trabalhar com a Ásia, queremos abrir aí empresas», disse Leonel Vieira.

Em Angola, explicou, a produtora portuguesa já faz filmes publicitários, mas a partir de encomendas feitas ao escritório de Lisboa, mas agora pretende instalar-se nesse país.

«Além de sermos a única empresa de produção em Portugal que produz nas três áreas - cinema, televisão e publicidade - e que tem no país, que está em crise, um crescimento de 30 por cento este ano, o nosso crescimento principal está determinado há mais de três anos para fora», indicou o cineasta.

Ao apontar que Macau «está, a médio prazo, nos objetivos de crescimento» da produtora, Leonel Vieira salientou que uma subsidiária da Stopline nascerá no território para produzir um filme com o nome provisório «No Limit», uma «grande produção que custa cinco milhões de euros e se pretende filmar com atores ingleses e chineses», e fará depois outros projetos «como séries de televisão».

«Há cerca de um ano e meio decidi apresentar um projeto em Macau de um filme e esta foi a razão primeira para começar a viajar para o território. Esta é a quarta visita que fazemos desde então, o processo desse filme está no bom caminho, em fase de financiamento», explicou.

O cineasta apontou que o objetivo é que o filme conte com investimento europeu e de Macau.

«O primeiro ano foi de auscultação do mercado, já escolhemos uma parceria para investimento», disse, escusando-se a revelar pormenores.

«É um filme que não fala de tríades nem de violência, é uma comédia de aventuras», disse.

A presença da Stopline na Feira Internacional de Macau, com um stand no Pavilhão de Portugal, «é uma continuação de tudo isto» e tem como objetivo «fazer contactos e abrir um pouco mais o caminho daquilo que vai ser a postura» da empresa no território.

«Tal como no Brasil, onde sou hoje o maior produtor internacional - no ano passado estava a produzir quatro grandes produções no país -, porque cheguei antes dos outros, penso que estou aqui (em Macau) no mesmo momento, antes da maioria», observou.

Depois de uma paragem de três anos na realização, Leonel Vieira vai voltar a filmar em 2014.

«Em cerca de uma década fiz nove filmes, fiz muito público, algum dinheiro, tive alguns fracassos, ganhei prémios, mas perto dos 40 anos fiz um balanço e achei que não estava contente com o que estava a fazer e decidi parar para pensar», explicou.

Para o ano, disse, «se tudo correr bem, quero realizar dois filmes no Brasil, é a minha meta».

«Um deles é uma comédia romântica sofisticada, moderna e fresca sobre a história de uma mulher, chamado provisoriamente "Mulheres", e o outro é um thriller duro e realista filmado em inglês no Rio de Janeiro, uma grande produção financiada por vários países, chamado "Last Animal"», disse à Lusa.

A comédia, acrescentou, está prevista entrar em filmagens «nos primeiros meses de 2014 com atores portugueses e brasileiros», sendo que o casal de protagonistas será formado por uma brasileira e por um português famosos.