Sofia Vergara: «Sou mais divertida na cama»

Atriz colombiana diz que toda a gente gosta de sexo romântico, mas que ela é mais atrevida

Por: Redação / AC    |   20 de Março de 2012 às 14:44
Sofia Vergara é a estrela da capa na edição de abril da «Esquire». Em entrevista à revista masculina, a atriz falou sobre sexo, as curvas do seu corpo e alguns pormenores da sua vida privada.

A atriz da série «Uma Família Muito Moderna» diz que, por ser de origem latina, a sua maneira de estar numa relação amorosa é algo vivido com muita paixão, mas, de alguma forma, igual ao que as outras mulheres sentem.

«Penso que todas as mulheres gostam de ser apreciadas e tratadas com respeito e delicadeza. Todos nós gostamos de ter sexo de uma forma romântica. No entanto, com uma mulher latina, a diversão vai ser maior», revelou Vergara à «Esquire».

Sobre o seu corpo, Sofia Vergara diz que as curvas e as formas voluptuosas são normais das mulheres colombianas e que isso é motivo de orgulho.

«Na Colômbia, toda a gente é muito voluptuosa e é suposto ser assim. Não queremos ser magricelas quando todas as nossas primas são autênticas sereias. Nós crescemos a pensar que isso é que é beleza», disse a atriz à «Esquire».

A relação amorosa com o namorado Nick Loeb também foi destacada na entrevista. Sofia Vergara diz que o seu amante reage bem ao seu temperamento impetuoso e reacionário.

«O Nick interroga-se sobre o fato de eu estar a discutir com a minha irmã e no momento seguinte já estar a fazer as pazes e a ir almoçar com ela. Nos primeiros tempos ele pensou que eu era maluca», confessou a atriz à «Esquire».

Sofia Vergara, 39 anos, está a ter sucesso com a série televisiva, «Uma Família Muito Moderna», na qual desempenha o papel de Glória, uma mulher latina que também tem muito «fogo».
PUB
Partilhar
FOTOGALERIA:
Sofia Vergara na capa da «Esquire»

Sofia Vergara na capa da «Esquire» EM CIMA: Sofia Vergara na capa da «Esquire»
COMENTÁRIOS

PUB
Passos diz que «é prematuro» antecipar medidas adicionais

O primeiro-ministro considera prematuro antecipar a necessidade de medidas adicionais para cumprir a estratégia orçamental do Governo, reafirmando ser «um ponto de honra» manter o défice «abaixo dos três por cento». A Comissão Europeia pede ao país que tome as medidas necessárias para cumprir as metas, mas aprova as contas lusas para a o próximo ano. Em março vai decidir se são necessárias mais medidas de austeridade