Portugal será o país convidado da Mostra de Cinema Europeu, em novembro, em Segóvia, Espanha, com a projeção de filmes, debates e uma programação dedicada ao escritor José Saramago, escreve a agência Lusa.

A oitava edição da mostra, de 13 a 19 de novembro, pretende dar a conhecer «um território vizinho que conseguiu um enorme prestígio no panorama cinematográfico internacional», com um cinema cuja sobrevivência «parece agora mais difícil que nunca», segundo nota de imprensa enviada à agência Lusa.

A decisão de ter Portugal como país convidado, surgiu depois de, no ano passado, terem exibido a longa-metragem «Tabu», de Miguel Gomes, filme que «era quase uma homenagem ao cinema e que se ligava com a tradição cinematográfica do seu país».

Um país com um cinema «onde coexistem diferentes géneros e gerações de realizadores, filmes de entretenimento e filmes de autor», mas que está «ameaçado por outras formas de entretenimento e por por problemas financeiros endémicos», sustenta a organização.

A secção oficial do festival, que integra várias produções europeias, terá quatro filmes portugueses premiados: o documentário «E Agora? Lembra-me», de Joaquim Pinto, «A Última Vez Que Vi Macau», de João Pedro Rodrigues e João Rui Guerra da Mata, o coletivo «Centro Histórico», de Pedro Costa, Manoel de Oliveira, Víctor Erice e Aki Kaurismaki, e «Linhas de Wellington», de Valeria Sarmiento.

Na secção dedicada apenas a Portugal, a mostra contará com «Singularidades de Uma Rapariga Loura», de Manoel de Oliveira, «Vai e Vem», de João César Monteiro, «Florbela», de Vicente Alves do Ó, «Juventude em Marcha», de Pedro Costa, «Call Girl», de António-Pedro Vasconcelos, e «América», de João Nuno Pinto.

A programação deste ano terá ainda uma secção dedicada ao escritor José Saramago, Nobel da Literatura, que viveu entre Portugal e Espanha, onde morreu em 2010.

Em parceria com a Fundação José Saramago, serão exibidos filmes adaptados de obras do escritor: «Ensaio Sobre a Cegueira», de Fernando Meirelles, «Jangada de Pedra», de George Sluizer, e «Embargo», de António Ferreira, a partir de um conto do autor.

A eles junta-se ainda o documentário «José & Pilar», de Miguel Gonçalves Mendes, assim como «1900», de Bernardo Bertolucci, e «Morangos Silvestres», de Ingmar Bergman, por afinidades afetivas.

Haverá ainda uma conferência sobre o cinema português e Espanha, com a participação do produtor e realizador Rodrigo Areias, e outra sobre a relação de Saramago com o cinema.

A Cinemateca Portuguesa coproduzirá uma exposição com 54 fotografias de rodagens de filmes portugueses, entre 1920 e 1996, e o Instituto Camões coproduzirá outra mostra, fazendo uma retrospetiva do cinema nacional.

A Mostra de Cinema Europeu de Segóvia terá ainda uma atuação de fados pela cantora espanhola Névoa, e uma prova de vinhos e queijos de Portugal e Espanha.