O realizador Miguel Gomes disse à agência Lusa ter ficado satisfeito com a receção entusiástica da nova curta-metragem, «Redemption», na 70ª edição do Festival de Cinema de Veneza, onde foi exibida pela primeira vez no sábado.

«Pareceu-me bem. As salas estavam cheias e havia entusiasmo», avaliou o realizador num contacto telefónico, em Veneza, onde se encontra para apresentar o filme, acompanhado por Luís Urbano, da produtora O Som e a Fúria.

O filme, uma ficção de 26 minutos coproduzida com França, Alemanha e Itália, é exibido fora de competição e assinala a estreia de Miguel Gomes em Veneza - o mais antigo festival de cinema na Europa - depois de já ter tido obras selecionadas e premiadas nos festivais de Berlim, Cannes, Locarno, Toronto e São Paulo.

«Redemption» foi apresentado no sábado em duas sessões no Festival de Veneza, uma para a imprensa internacional e para os profissionais e agentes ligados à indústria cinematográfica, e uma outra sessão oficial que decorreu à tarde.

«É sempre bom poder mostrar um filmes num grande festival. Existe uma grande atenção ao filme porque há muitos jornalistas e profissionais da indústria do cinema. Portanto é uma boa rampa de lançamento», comentou.

Passos Coelho, Merkel, Sarkozy e Berlusconi em novo filme português

Também em declarações à Lusa, o produtor Luís Urbano disse que a receção do filme em Veneza nestas duas primeiras sessões «foi fantástica».

«Já na sessão de imprensa e para a indústria realizada de manhã tinha sido bastante boa. E nesta sessão oficial à tarde foi ótima, muito calorosa. As pessoas aplaudiram muito, gritaram "bravo", e o feedback a seguir à sessão ainda mais excelente foi. Portanto correu bastante bem», concluiu.

Teresa Villaverde e João Pedro Rodrigues são os dois outros cineastas portugueses participantes no certame, através do projeto «Venezia 70 - Future Reloaded», com o qual o festival, criado em 1932, assinalou a abertura da sua 70ª edição, na passada quarta-feira.

A competir pelo Leão de Ouro estão 20 filmes, entre os quais «Philomena», de Stephen Frears, «The Zero Theorem», de Terry Gilliam, «La Jalousie», de Philippe Garrel, «Ana Arabia», de Amos Gitai, e «Kaze Tachinu», animação do mestre japonês Hayao Miyazaki.

Bertolucci preside o júri que vai atribuir o Leão de Ouro ao melhor filme. A 70ª edição do Festival de Cinema de Veneza decorre até ao próximo dia 7 de setembro.