Três curtas-metragens de Gabriel Abrantes, algumas distinguidas em festivais de cinema, estão a partir desta sexta-feira em exibição nas salas francesas, anunciou a distribuidora cinematográfica.

De acordo com a Lusa, as três curtas, exibidas como uma trilogia, são «Liberdade», realizada com Benjamin Crotty, distinguida no Festival de Locarno de 2011, «Taprobana», que venceu o prémio EFA do Festival de Berlim deste ano, e «Ennui Ennui», que participou no Festival de Roma em 2013 e compete este ano no de Brive, em França.

Numa entrevista a Jérôme Momcilovic, o realizador português afirma que «todos os três [filmes] são trabalhados por questões que estão próximas, e sobre as quais» já rodou outros filmes. São elas «a globalização, a sexualidade e como as vontades individuais condicionam as escolhas políticas, morais e estéticas».

As três «curtas» são exibidas sob o título «Pã não chora» («Pan Pleure Pas»), uma referência, afirma o realizador português, «ao deus grego do vinho e do sexo, que pode ser lida de duas maneiras: «Pã não chora» ou «Pã, não chore!».

«Gostei desta imagem, do deus da luxúria, subitamente melancólico. Isto sugere uma mistura de burlesco e melodrama que, julgo, poderia dar uma boa definição dos meus filmes», afirmou.

A exibição das três «curtas» do realizador português foi uma proposta da distribuidora Capricci.

«Por ocasião da apresentação recente de Ennui Ennui, com Edith Scob e Laetitia Dosch, provavelmente o seu filme mais engraçado, propusemos ao Gabriel [Abrantes] um programa de curtas para apresentar nas salas de cinemas, como uma oportunidade de dar a conhecer o seu universo ao público francês», afirma, em comunicado, a distribuidora.

De acordo com a Capricci, as três «curtas» são «três contos delirantes que dialogam entre si em torno do leitmotiv de Abrantes: o pós-colonialismo, hibridismo cultural e sexual, a globalização e a ascensão do fundamentalismo religioso».