Quentin Tarantino desistiu de fazer um novo western porque não gostou de descobrir que o argumento tinha sido revelado sem a sua autorização.

Em declarações ao site Deadline, o realizador norte-americano lamentou a situação e apontou o dedo a agentes de atores em Hollywood.

«Estou muito desanimado. Tinha terminado de escrever o primeiro rascunho do argumento e não planeava começar a rodar o filme até ao próximo inverno, daqui a um ano. Dei o argumento a seis pessoas e, aparentemente, ele foi revelado hoje», contou Tarantino.

O cineasta de 50 anos disse que soube da fuga de informação porque o seu agente começou a receber telefonemas de representantes de vários atores interessados em participar no novo filme, que teria como título «The Hateful Eight».

Tarantino revelou ao Deadline que entregou o argumento a três atores em quem confiava - Bruce Dern, Michael Madsen e Tim Roth - e que terão sido os agentes dos dois primeiros a «espalhar» o argumento por Hollywood. «O único que eu sei que não fez isto foi o Tim Roth», assegurou.

Desencorajado pelo quebrar da confiança de quem tinha tido autorização para ler o argumento, Quentin Tarantino acrescentou que não irá rodar o filme, mas sim publicar a história em formato de livro.

«Dei o argumento a seis pessoas, e se não posso confiar nelas a esse nível então não tenho qualquer desejo em rodar o filme. Vou publicá-lo [em livro] e seguir para o próximo projeto. Tenho mais dez saídos de onde este veio», contou.

Foi no final de 2013 que Quentin Tarantino revelou, durante o talk show televisivo de Jay Leno, que após «Django Libertado» voltaria a rodar um novo western.

«Não é uma sequela do "Django Libertado", mas é um novo western. Diverti-me tanto a fazer o "Django Libertado", e adoro tanto os westerns, que, depois de aprender como se faz um, pensei: "Quero fazer outro, agora que já sei o que estou a fazer!".»