Philip Seymour Hoffman tinha 70 doses de heroína em pequenas saquetas, 50 delas ainda por abrir, no seu apartamento em Nova Iorque.

Segundo fonte ligada à investigação, citada pela imprensa norte-americana, a polícia encontrou também seringas e medicamentos sujeitos a prescrição médica, incluindo antidepressivos, calmantes, e um outro usado no tratamento de toxicodependentes.

O ator de 46 anos foi encontrado sem vida no domingo, em casa, com uma seringa espetada no braço, indicam os mesmos relatos. Enquanto se aguarda pelos resultados da autópsia realizada na segunda-feira, tudo aponta para que Seymour Hoffman tenha mesmo morrido de overdose de heroína.

Entretanto, o site TMZ revelou várias imagens de Philip Seymour Hoffman tiradas nas últimas semanas por pessoas que asseguraram que o ator estaria visivelmente alcoolizado ou sob o efeito de outras drogas em pelo menos duas ocasiões: num bar em Atlanta, onde foi visto a dirigir-se ao WC várias vezes de forma suspeita, e num aeroporto, onde teve de ser transportado numa viatura da equipa de segurança.

Ainda segundo o TMZ.com, a recaída de Seymour Hoffman preocupou os seus amigos, e o ator procurou mesmo ajuda ao frequentar encontros dos Alcoólicos Anónimos, mas a tentativa foi em vão. «Se não conseguir parar, vou morrer», terá dito a um amigo próximo.

As autoridades estão agora a investigar a origem das drogas que estavam na posse de Philip Seymour Hoffman, tentando reconstituir os últimos dias de vida do ator através do acesso aos seus registos telefónicos, de mensagens e emails.