Notícia atualizada às 19h33

O ator, realizador e argumentista Harold Ramis morreu esta segunda-feira em Chicago, aos 69 anos, noticia o «Chicago Tribune». Conhecido por ser um dos protagonistas e argumentistas de «Os Caça-Fantasmas» e por ter realizado «O Feitiço do Tempo» e «Uma Questão de Nervos», Ramis sofria de uma doença rara que provocava a inflamação dos vasos sanguíneos, a vasculite inflamatória auto-imune.

Comediante nato, inspirado nos Marx Brothers, Harold Ramis começou a dar nas vistas como argumentista e ator na série de televisão canadiana «Second City Television», no final dos anos 1970.

Co-assinando o argumento de «Almôndegas» (1979), Ramis voltaria a trabalhar com o realizador Ivan Reitman e com um dos atores, Bill Murray, numa série de sucessos do cinema de comédia da década de '80, como «O Pelotão Chanfrado» (1981) e «Os Caça-Fantasmas» (1984). Neste último, Harold Ramis interpretou um dos «caçadores» de serviço, o cientista Egon Spengler.



Ramis foi também um dos argumentistas de «Os Caça-Fantasmas II» e estaria envolvido no desenvolvimento do tão aguardado, e sucessivamente adiado, terceiro capítulo da saga.

Como realizador, «O Clube dos Malandrecos» («Caddyshack» no original) marcou a sua estreia no grande ecrã, em 1980, seguindo-se êxitos (uns maiores do que outros) como «O Feitiço do Tempo» (1993), «Os Meus Duplos, a Minha Mulher e Eu» (1996), «Uma Questão de Nervos» (1999) e «Outra Questão de Nervos» (2002).

O último filme como cineasta, «Ano Um», estreou em 2009 e foi produzido por Judd Apatow, realizador de «Virgem aos 40 Anos» e «Um Azar do Caraças» e fã confesso de Ramis.

«Ele era a pessoa que eu queria ser quando crescesse. A obra dele é a razão pela qual tantos de nós nos interessámos pela comédia», disse Apatow, citado pelo «Chicago Tribune».

Apesar de nunca ter sido nomeado para os Óscares, Harold Ramis venceu, com Danny Rubin, o Bafta para Melhor Argumento Original em 1994 com «O Feitiço do Tempo».