O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e família lamentaram a morte do ator Robin Williams, que descreveram como um intérprete «único».

«Ele entrou nas nossas vidas como um estranho, mas acabou tocando todos os elementos do espírito humano. Fez-nos rir. Fez-nos chorar. Entregou o seu imensurável talento livre e generosamente àqueles que mais precisam, desde as nossas tropas no estrangeiro, aos marginais nas nossas ruas», expressou a família em comunicado.

A família Obama endereçou condolências aos familiares e amigos do ator e a todos aqueles que «encontraram a sua voz graças a ele», concluiu o comunicado.

O presidente norte-americano também deixou uma mensagem nas redes sociais:





O ator norte-americano Robin Williams morreu na segunda-feira, aos 63 anos, aparentemente vítima de suicídio por asfixia, anunciaram as autoridades do condado de Marin, na Califórnia.

De acordo com o site especializado em notícias de celebridades Entertainment Weekly, que cita o agente do ator, Robin Williams estava a «combater uma severa depressão».

Williams, que ganhou um Óscar pela sua interpretação em Good Will Hunting («O Bom Rebelde», no título em português), é suspeito de se ter suicidado, de acordo com um comunicado difundido pelas autoridades do condado de Marin, na Califórnia.

«Nesta altura, o Departamento de Medicina Legal da Polícia do Condado de Marin suspeita de suicídio por asfixia», lê-se no comunicado.

O ator e comediante era uma das mais admiradas figuras públicas da Sétima Arte, tendo alcançado a fama nos Estados Unidos devido à sua participação no programa de entretenimento [sitcom] Mork & Mindy, mas foi no cinema que se tornou mundialmente conhecido.

O site especializado em estatísticas e informações de cinema Internet Movie Database contabiliza 103 créditos que representam participações em filmes ou séries de televisão, particularmente nas últimas duas décadas, em grandes sucessos de bilheteira como «Good Morning Vietnam», em 1989, ou «O Clube dos Poetas Mortos», em 1997.

Apesar de ter sido nomeado para o Óscar nesses dois anos, e também em 1992, com o filme «The Fisher King», só alcançou o Óscar em 1998 com a sua participação secundária em «O Bom Rebelde», no qual desempenha um psicólogo que acompanha um jovem extremamente inteligente, um papel desempenhado por Matt Damon.