Quem for ver o recém-estreado «Machete Mata» aos cinemas deve ir preparado para assistir primeiro a «Morcegos no Campanário», uma curta-metragem animada que tem recebido vários prémios desde que saiu vencedora do MOTELx em 2010.

Podemos mesmo falar de uma carreira impressionante dentro do circuito dos festivais nacionais e internacionais, até porque este é o primeiro filme de João Alves, um jovem realizador autodidata, que é biólogo marinho de formação.

Em entrevista ao Cinebox, o realizador português disse estar orgulhoso por ver o seu filme a «abrir» para «Machete Mata».

«É espetacular, é melhor do que alguma vez eu pensei. Só queria que [a curta-metragem] passasse num grande ecrã, mas num festival, foi o objetivo. Agora, passar nos cinemas do país todo, ainda por cima com um filme do Robert Rodriguez é muito muito bom», explicou.

«Morcegos no Campanário» é uma animação que junta cowboys e morcegos numa aventura em jeito de homenagem aos westerns spaghetti de Sergio Leone e aos filmes de terror.

Para atingir o resultado final, João Alves passou por «muitas horas de tutoriais na Internet e a ver extras de DVDs», aprendendo «por gosto» nos seus tempos livres. «E a paixão pelo cinema falou mais alto do que o curso [de Biologia Marinha]», confessou.

Para além do prémio de Melhor Curta de Terror Português no MOTELx 2010, João Alves foi ainda distinguido no Fantasporto (Melhor Jovem Realizador 2011), no Shortcutz, no FARCUME, no Bragacine, e no Cinanima, pelo trabalho desenvolvido neste «Morcegos no Campanário».