O documentário português «De Armas e Bagagens» e a longa-metragem «Cores» foram os vencedores da 5.ª edição do (FESTin), divulgou em comunicado a organização do evento.

De acordo com a nota, os prémios aos vencedores das diversas categorias em competição foram entregues na noite de quarta-feira, no dia do encerramento do festival, que decorreu durante uma semana no teatro São Jorge, em Lisboa.

A organização referiu que o género documentário entrou, pela primeira vez, de forma autónoma nos prémios do FESTin.

O júri elegeu o documentário «De Armas e Bagagens», de Ana Delgado Martins - sobre o regresso de milhares de portugueses de Angola depois da independência - como o melhor documentário «pela escolha elaborada e bem conseguida de conciliar a parte histórica com imagens de arquivo e as entrevistas, bem como a própria filmagem», sublinhou o comunicado. Ana Delgado Martins recebeu um prémio monetário no valor de 800 euros.

A realizadora, segundo a nota, «agradeceu a toda a equipa e convidou todos os presentes a acompanharem a carreira do filme, que teve a sua estreia mundial no FESTin, através da página do Facebook». «Hoje em dia é assim, temos que pedir às pessoas para fazerem um like no Facebook!», afirmou Ana Delgado Martins.

O vencedor do prémio de longas-metragens foi para o filme «Cores», do realizador brasileiro Francisco Garcia. O filme arrebatou ainda o prémio de melhor realizador, para Garcia, e de melhor atriz, para Simone Lliescu.

A escolha do júri pela película brasileira aconteceu «pela densidade poética e ousadia estética de um filme em branco e preto apesar de se chamar "Cores"», é «um filme que através do não dito, do silêncio, diz a palavra que procuramos», afirmou Letícia Constat, elemento do júri do FESTin.

O realizador Francisco Garcia não pôde estar presente, mas enviou uma mensagem de agradecimento ao júri e ao festival.