Freira de biquíni indigna católicos dos EUA

«Os Três Estarolas» levantam polémica religiosa

Por: Redação / PC    |   13 de Abril de 2012 às 12:50
A Liga Católica dos Estados Unidos está a insurgir-se publicamente contra o filme «Os Três Estarolas» pela forma como as personagens das freiras aparecem no filme.

O primeiro caso referido pela maior associação de católicos dos EUA foi uma freira a usar um biquíni como um largo terço no peito. A modelo Kate Upton sai de uma piscina assim vestida.

A outra freira polémica é desempenhada por Larry David e, além da personagem representada, o nome de Irmã Mary-Mengele não caiu bem, pois o sobrenome era também o do nazi Josej Mengele.

«Em 1950, Hollywood evitava por regra piadas rudes e respeitava a religião. Hoje especializa-se em brejeirices e enxovalha a religião, especialmente o catolicismo», disse Bill Donohue. Citado pelo «The Hollywood Reporter», o presidente da Liga Católica frisou que o filme de Peter e Bobby Farrelly não se limita a ser um remake do original dos anos 1950.

A Fox reagiu dizendo que o filme mantém «o espírito da série original» e destaca o «sentido de comédia» desta produção: «As freiras a que o senhor Donohue se refere são, de facto, personagens afetuosas, heroicas, apesar de incluídas numa comédia muito abrangente.»

«Os Três Estarolas» tem estreia marcada em Portugal para Junho deste ano.

PUB
Partilhar
EM BAIXO: Frame de «The Three Stooges»
Frame de «The Three Stooges»

COMENTÁRIOS

PUB
BES: «Não encostei uma pistola à cabeça de ninguém»

«Fala-se do buraco, do buraco, do buraco no meu mandato... Apresentem-me números». Ano e meio depois de sair, ex-presidente do BESA diz que a carteira de crédito cresceu ainda mais, com outros a liderar o banco. Quanto à garantia do Estado angolano, afirma que caiu por culpa do Banco de Portugal. Já sobre os créditos em si, assume a responsabilidade por tê-los pedido, mas quem autorizou foi o BES: «Não encostei uma pistola à cabeça de ninguém». Há alguma contradição nas suas explicações sobre onde é que, afinal, pára o dinheiro dos polémicos créditos que desapareceram