Numa altura em que a Índia tenta encontrar uma forma de travar a crescente onda de violência contra as mulheres, dois cineastas estão a preparar um filme de Bollywood chamado «Matar o violador?».

O filme foi inspirado pela fatal violação coletiva de uma estudante na capital Nova Deli, no final do ano passado, o que motivou uma indignação generalizada e um exame de consciência nacional sobre a forma como as mulheres são tratadas na Índia.

O novo filme visa fazer com que «cada violador trema de medo antes mesmo de pensar em violar», de acordo com a sua página no Facebook, que conta já com mais de 40 mil seguidores.

Com um orçamento modesto e um elenco em grande parte desconhecido, «Matar o violador?» está previsto estrear em dezembro, um ano após o ataque em Nova Deli, no qual um grupo de seis homens atacou selvaticamente uma estudante de fisioterapia de 23 anos e um seu amigo, num autocarro.

«A brutalidade do crime abalou-me. Fez-me lembrar quão hipócrita e egoísta é a nossa sociedade. Através deste filme, queremos ampliar o debate sobre o assunto e mostrar que não há uma solução», disse à AFP Siddhartha Jain, da iRock Films, que produziu o filme.

A estudante morreu duas semanas depois devido aos ferimentos internos causados durante o ataque, e quatro homens foram condenados à morte em setembro - uma punição destinada, em parte, a dissuadir possíveis predadores sexuais.

Apesar da onda de raiva, que levou à criação de uma lei mais dura contra a violação, continuam a ser relatados diariamente nos meios de comunicação social indianos crimes sexuais em todo o país.

«Matar o violador?» debruça-se sobre a forma como uma vítima desse tipo de ataque pode fazer a sua própria vingança.

«Como sociedade, não temos muito respeito nem confiança no sistema legal, portanto se acontecer uma pessoa ser vítima de uma violação, o que faz?», questiona o realizador, Sanjay Chhel.

«O nosso filme explora aquilo por que a rapariga passou, física e psicologicamente, a sua jornada e as pessoas ao seu redor. Temos de colocar um ponto de interrogação no final do título, porque não queremos tomar uma posição legal», disse

Os cineastas pretendem que o filme choque e inquiete o público, mas sem ser sensacionalista.