Não precisa de ter os olhos abertos para reconhecer a voz de Morgan Freeman. O ator que já ganhou um Oscar, de tom grave e pausado, é senhor de um tom único.

O que leva este senhor do cinema, de dramas como os «Heróis de Shawshank» a falar à Pato Donald?

A sua diversidade como ator, capaz de encarnar comédias ou dramas, não o levou desta vez a um filme da Disney. Trata-se da promoção de um documentário. Freeman, num fundo negro e com um balão de hélio vermelho e a voz. A sua voz. Inconfundível. Alterada. Ridícula.

«Through the Wormhole», iniciado em 2010 e ainda sem data de exibição, explica os mistérios da gravidade.