O ator brasileiro Paulo Goulart morreu, esta quinta-feira, aos 81 anos.

O velório do conhecido ator brasileiro começou por volta das 23:30 e juntou familiares, atores e fãs no Theatro Municipal de São Paulo. A cerimónia prolonga-se ao longo desta sexta-feira e o enterro do ator será realizado no Cemitério da Consolação, na capital paulista.

«Fica a imagem do pai, homem, amigo e ator. Ele foi a minha referência de vida, um grande espelho», disse Paulo Goulart Filho, que fez anos no dia em que o pai morreu. «Fica o legado da ética, da moral, ele era um "gentleman", gentilíssimo com a minha mãe. Sempre teve um olhar para o próximo», acrescentou.

«Ele distinguia-se pela excecionalidade. Quando chegava, a vida já ficava boa. Tínhamos períodos de distanciamento, mas cada encontro era como se estivéssemos estado sempre juntos. É um até logo», afirmou o ator Juca de Oliveira.

Ao longo da carreira, iniciada quando ainda era adolescente, Goulart destacou-se pelos trabalhos em novelas como «Plumas e paetês» (1980), «Roda de fogo» (1986) e «O dono do mundo» (1991). Goulart também participou em filmes como «Rio zona norte» (1957), «O grande momento» (1958), «Gabriela, cravo e canela» (1983) e «Para viver um grande amor» (1983).

O ator nasceu em Ribeirão Preto (SP) a 9 de janeiro de 1933.