«A Romarin Films, a minha sociedade de produção, em acordo com Valérie, está a desenvolver atualmente a adaptação cinematográfica do best-seller e a estudar co-produções com empresas francesas e internacionais», avançou esta segunda-feira Jawad à revista Gala.

 

Uma obra polémica, especialmente por Hollande ainda ocupar o cargo, que torna previsível a controvérsia que o filme poderá gerar.

 

Questionada sobre esta situação, Saïda Jawad afirmou que a película se debruçará na «luta de Valérie, uma mulher que grita a sua verdade», reconhecendo que a antiga jornalista «não faz as coisas pela metade».

 

«Gostaria que a história fosse contada pela personagem principal a um confidente, para entender melhor o mundo político e a mulher. Garanto que vamos descobrir coisas novas», assegurou à Gala.