A atriz Jennifer Lawrence considera que a divulgação das suas fotografias íntimas foi uma «violação sexual» e admite que teme os efeitos na sua carreira.

«Isto não é um escândalo, é um crime sexual. É nojento», desabafou, em entrevista à revista «Vanity Fair», cujos excertos foram divulgados esta terça-feira.

A protagonista de «Hunger Games» confessa que ficou «com muito medo» das repercussões do caso. «Só porque sou uma figura pública, só porque sou uma atriz, isso não significa que eu merecia isto. É o meu corpo e devia ser a minha escolha e o facto de não o ser é absolutamente nojento», reforçou.

A atriz apelou à mudança das leis da Internet, para que as consequências sejam mais duras para os hackers, mas também criticou quem procurou as imagens online.

«Todos os que viram aquelas fotografias perpetuaram uma ofensa sexual. Deviam ter vergonha. Até pessoas que eu conheço e de quem gusto me disseram "Sim, eu vi as imagens". Eu não quero ficar chateada, mas, ao mesmo tempo, eu não lhes disse que podiam olhar para o meu corpo nu», explicou.

Jennifer Lawrence contou ainda à «Vanity Fair» que tentou escrever um comunicado a reagir à divulgação das fotografias, mas que sentiu que «não tinha nada pelo que pedir desculpa».

Segundo a atriz, as fotografias tinham sido enviadas para o seu ex-namorado durante uma relação «à distância».

Apesar do escândalo, Jennifer Lawrence não perdeu, no entanto, o sentido de humor. Quando recordava «o terrível momento» em que teve de ligar ao pai a contar o que se estava a passar, afirmou: «Felizmente, ele estava a jogar golfe, por isso estava bem-disposto».

O FBI ainda está a investigar a divulgação das fotografias e a atriz admite que está a ultrapassar o caso. «O tempo realmente cura. Já não estou a chorar, já não posso estar zangada. A minha felicidade não pode depender de apanhar estas pessoas, porque isso pode não acontecer», concluiu.