As produções de Hollywood dominam o mundo do cinema, mas para lá do frenesim de Los Angeles há filmes independentes que se destacam com mais ou menos sucesso junto do público e da crítica.

Este ano ainda não acabou, mas já é possível referir alguns filmes dos circuitos mais alternativos que marcaram o ano nas salas portuguesas. Portugal não fica de fora desta lista pois em 2014 também houve obras portuguesas distinguidas quer a nível nacional, quer a nível internacional


«O Grande Hotel de Budapeste» (2014)

Wes Anderson é muito provavelmente um dos cineastas independentes mais populares da atualidade e, este ano, a sua última obra, «O Grande Hotel de Budapeste», confirmou isso mesmo.

Premiado no Festival de Cinema de Berlim com o  Grande Prémio do Júri , conta as peripécias de Gustave H, «concierge» de um famoso hotel, e Zero Moustafa, o jovem paquete que se torna seu companheiro e confidente.

A ação decorre na fictícia República de Zubowska durante a década de 1930. O elenco é de luxo e conta com Ralph Fiennes, Jeff Goldbum, Willem Dafoe, Edward Norton, Adrien Brody e Tilda Swinton.

Estreou em Portugal em abril.




«Só os Amantes Sobrevivem», Jim Jarmusch (2013)

Retrata o relacionamento entre Adam, um músico profundamente deprimido, e a enigmática Eve. Esta história de amor dura há séculos, mas é interrompida pela chegada da irmã de Eve, uma mulher extravagante e incontrolável. No meio disto há o cansaço perante o mundo e a sociedade moderna.

Depois de a saga «Twilight» ter tornado as histórias sobre vampiros muito em voga, sobretudo entre o público adolescente, o cineasta Jim Jarmusch dá uma nova abordagem a este universo, direcionada para um público mais adulto.

Estreou em Portugal em junho.





«A Emigrante» (2013), James Gray

A trama decorre em 1921. As irmãs Ewa e Magda deixam a Polónia e partem para Nova Iorque, em busca do Sonho Americano. Mas quando chegam à «terra das oportunidades» e à ilha Ellis (onde as autoridades americanas filtravam os imigrantes que desembarcavam no país), os médicos descobrem que Magda sofre de tuberculose e esta é posta em quarentena. Ewa, sozinha e desesperada está disposta a sacrificar tudo para salvar a  irmã. 

O filme do cineasta nova-iorquino James Gray esteve na corrida à Palma de Ouro, em Cannes, o ano passado.

Estreou por cá em julho.





«Adeus à Linguagem», Jean Luc Godard (2014)

O cineasta francês, símbolo da escola «nouvelle vague», estreou este ano «Adeus à Linguagem». O filme faz jus ao estatuto de Godard como um cineasta vanguardista e experimental, mas desta vez rendido à evolução tecnológica, com a utilização do 3D.

A narrativa do filme parte do relacionamento entre uma mulher casada e um homem solteiro, mas no meio disto há muitas metáforas sobre relacionamentos e a própria raça humana.

Estreou em Portugal em outubro.




«E Agora? Lembra-me», Joaquim Pinto (2013)

É um documentário auto-biográfico que acompanha a vida do realizador, Joaquim Pinto, portador dos vírus HIV e VHC. O filme retrata ainda a história de amor entre o cineasta e o seu marido.

Premiado no Festival de Locarno (Suíça) com o Prémio Especial do Júri e o Prémio da Crítica Internacional, também venceu o Grande Prémio nos Encontros Internacionais do Documentário de Montréal (Canadá) e por cá o Grande Prémio da Cidade de Lisboa no DocLisboa.

Estreou nas salas portuguesas no final de agosto.




«Tom na Quinta», Xavier Dolan (2013)

Xavier Dolan tem apenas 25 anos, mas já conta com várias longas-metragens no currículo, como realizador. Este ano estreou em Portugal «Tom na Quinta» e em 2015 deverá chegar «Mommy», o filme que ganhou o Prémio do Júri no Festival de Cannes.

«Tom na Quinta» é sobre a ida de um homem ao funeral do companheiro, numa localidade rural. Ninguém desconfia da relação entre os dois, muito menos da orientação sexual de Guillaume, o companheiro que morreu num acidente de automóvel. Tom é inicialmente muito bem acolhido, mas quando o irmão de Guillaume começa a questionar a sua presença, um clima de tensão instala-se.

Estreou em junho, em Portugal.





«Debaixo da Pele», Jonathan Glazer (2013)

«Debaixo da Pele» gira à volta de uma jovem atraente que é um extraterrestre e seduz os homens para se apoderar dos seus corpos, num filme que mistura ficção científica e realidade. O realizador Jonathan Glazer procura retratar o mundo em que vivemos através de um olhar alienígena.

Estreou em Portugal em maio.




Ao longo do ano houve outros filmes que se destacaram, mas que ainda não estrearam por cá.

Aguarda-se, por exemplo, a estreia de «Sono de Inverno», que ganhou a Palma de Ouro deste ano no festival de Cannes e «Boyhood, Momentos de Uma Vida», o novo filme de Richard Linklater - conhecido pela trilogia romântica «Antes do Amanhecer», «Antes do Anoitecer», e «Antes da Meia-Noite» - que acompanha a vida de um rapaz durante 12 anos e que tem a particularidade de utilizar o mesmo ator em todas as fases da personagem. O mais recente filme de Pedro Costa, «Cavalo Dinheiro», que venceu o Leopardo de Melhor Realizador no Festival de Locarno, tem estreia marcada para 4 de dezembro.