A realizadora italiana Alice Rohrwacher apresenta esta quarta-feira, em Lisboa, o filme «O País das Maravilhas», na abertura oficial da Festa do Cinema Italiano, que cumpre a oitava edição até 2 de abril, na capital.

Premiado em 2014, em Cannes, «O País das Maravilhas», sobre uma família peculiar, será exibido no cinema São Jorge em antestreia nacional. Alba Rohrwacher, protagonista e irmã da realizadora, também estará em Lisboa.

Este ano, a Festa do Cinema Italiano - com uma das mais extensas programações - mostrará «Que estranho chamar-se Federico», documentário de Ettore Scola sobre uma das maiores figuras do cinema italiano, Federico Fellini, que morreu há vinte anos.

Haverá ainda uma retrospetiva dedicada a Sergio Leone, mestre do «western spaghetti», em parceria com a Cinemateca Portuguesa, e que inclui uma versão em cópia restaurada de «Era uma vez na América» e de «O bom, o mau e o vilão».

A Festa do Cinema Italiano abre uma janela para a produção televisiva e exibirá na íntegra «Gomorra», a série de Stefano Sollima, Francesca Comencini e Claudio Cupellini, baseada na obra homónima de Roberto Saviano.

Também em cópia restaurada será exibido «Cinema Paraíso», premiado filme de Giuseppe Tornatore.

A secção competitiva contará com «Almas negras», de Francesco Munzi, «As belas coisas», de Agostino Ferrente e Giovanni Piperno, «Incompreendida», de Asia Argento, «Com a graça de Deus», de Edoardo Winspeare, «Mais escuro que a meia-noite», de Sebastiano Riso, e «Short skin», de Duccio Chiarini.

O encerramento em Lisboa acontecerá a 2 de abril, com a comédia «O rapaz invisível», de Gabriele Salvatore, sobre um adolescente que descobre que o fato que comprou tem o poder de o tornar invisível.

Pela primeira vez, a mostra terá programação infantil, intitulada «Piccolini», focada em algumas figuras conhecidas, nomeadamente Pinóquio, Topo Gigio e Calimero.

Depois de Lisboa, a Festa do Cinema Italiano segue para o Porto (de 09 a 12 de abril), Coimbra, Loulé e Funchal.