O sucesso mundial da Disney, «Frozen», pode ser sobre uma rainha com poderes mágicos que congela acidentalmente o seu reino, mas uma mulher está convencida de que a história é baseada na sua vida.

Isabella Tanikumi, uma autora latino-americana, processou a Disney por plágio. O processo é de 194 880 000 euros (250 milhões de dólares) e alega que o enredo é baseado na sua autobiografia e não uma história de Hans Christian Anderson, T«he Snow Queen».

O livro publicado por Tanikumi, «Yearnings of the Heart», retrata a sua experiência nos Andes peruanos. O mais surpreendente é que na sua história não existem bonecos de neve tagarelas, trolls que falam ou palácios de gelo.

No entanto, Tanikumi insiste que «Frozen» roubou a história, as personagens e o sentimento geral do seu trabalho. Enumera 18 exemplos do que alega ser plágio, desde os nomes das personagens à relação fraternal central do filme de animação.

Segundo a sinopse da Amazon a autobiografia de Tanikumi inclui as «várias fases da sua vida e a sobrevivência da sua família durante o terramoto de 1970 em Huarez». O livro fala ainda sobre a morte da sua irmã e refere as lutas para se acostumar à vida e americana.

Em contraste, o IMDB resume o filme «Frozen» dizendo ser a história de uma princesa com o poder de transformar as coisas em gelo que amaldiçoa o seu reino com um Inverno infinito. A sua irmã vai tentar quebrar a maldição, aliando-se a um homem da montanha, a uma rena e a um boneco de neve.

A uma cópia do processo pode ser lida online . A Disney ainda não comentou a situação.