O filme «Metáfora ou a tristeza virada ao avesso», da portuguesa Catarina Vasconcelos, venceu o Prémio de Curtas-Metragens da 36.ª edição do Festival Cinéma du Réel, que decorre até domingo em Paris, foi hoje divulgado.

O júri, constituído pela realizadora francesa Blaise Harrison, a programadora do Copenhagen International Documentary Festival, Mads Mikkelsen, e o crítico cineatográfico russo Boris Nelepo, decidiu ainda atribuir uma menção à produção ítalo-argentina «Belva Nera» (2014), de Alessio Rigo de Righi e Matteo Zoppis.

«Belva Nera» venceu ainda, em ex-aequo com o filme francês «Espace» (2014), de Éléonor Gilbert, o Prémio dos Detidos do Centro Penitenciário de Fresnes.

«Metáfora ou a tristeza virada ao avesso» (2014), uma coprodução luso-britânica, de 32 minutos, utiliza o grão da película Super 8 e imagens digitais e conta a história dos pais da realizadora com o 25 de Abril de 1974 como pano de fundo.

«Catarina Vasconcelos faz uma distinção quase cruel entre aqueles que estão para sempre envolvidos numa espécie de 'patine' dos anos 1970, a banda pop do pai que parece saída do filme 'Tabu', de Miguel Gomes, e os avós que sobreviveram, envelhecidos e talvez esquecidos», afirma a organização no seu portal na Internet, sobre o filme de Catarina Vasconcelos.

O prémio tem o valor pecuniário de 5.000, estando prevista a estreia do filme em Portugal em outubro, no Festival DocLisboa.

O 25 de Abril de 1974 foi tema de um ciclo no festival com a exibição de 20 filmes dedicados à Revolução dos Cravos.

O Grande Prémio do Festival, no valor de 8.000 euros, foi para o filme «Iranien» (2014), de 102 minutos, uma coprodução franco-suíça, realizada por Mehran Tamadon.

O Prémio Internacional da SCAM, no valor de 5.000 euros foi para o filme «Examen d'État» (2014), de Dieudo Hamadi, uma coprodução de 90 minutos da França e da República Democrática do Congo. Esta película recebeu ainda o Prémio dos Editores/Potemkine.

O Prémio do Instituto Francês-Louis Marcorelles, no valor de 7.000 euros distinguiu o filme «Kamen - Les Pierres» (2014), de Forence Lazar, um produção francesa. Nesta categoria o júri, do qual fizeram parte Christine Houard, do Institut Français, Nuno Sena, do Festival IndieLisboa, e Davide Oberto, do Festival do Filme de Turim, decidiu atribuir uma menção à produção francesa de «Hautes Terres» (2014), de Marie-Pierre Brêtas.

O Prémio Joris Ivens distinguiu o filme italiano «Il Segreto» (2013),de Cyop&Kaf, que recebeu também uma Menção Especial do Prémio Juventude do Cinéma du Réel, ganho por «The Stone River», de Giovanni Donfrancesco, uma coprodução franco-italiana. Este prémio, financiado pela Câmara de Paris e atribuído por um júri de cinco estudantes do ensino secundário, tem o valor pecuniário de 2.500 euros.