Filme português sobre favelas do Complexo do Alemão ganha data de estreia

Documentário é o resultado de três anos de trabalho de dois irmãos

Por: Redação    |   28 de Dezembro de 2010 às 18:56
O documentário «Complexo - Universo Paralelo», de Mário e Pedro Patrocínio, sobre a favela brasileira Complexo do Alemão, vai estrear-se nos cinemas portugueses a 13 de Janeiro, noticia a agência Lusa.

O filme teve antestreia em Outubro no Doclisboa, também já foi exibido no Brasil e nos Estados Unidos, onde recebeu o prémio direitos humanos no Artivist Film Festival.



«Complexo - Universo Paralelo» foi rodado por dois irmãos portugueses, Mário e Pedro Patrocínio, numa das mais perigosas favelas brasileiras, o Complexo do Alemão, no Rio de Janeiro.

Mário e Pedro Patrocínio passaram três anos no Complexo do Alemão, filmando a vida da favela por dentro, por quem lá mora, mostrando a pobreza e o crime num local que a imprensa brasileira já chamou de «Faixa de Gaza do Rio».

«Passámos o Natal no Complexo em 2005 e tivemos oportunidade de conhecer muitas pessoas, de passar os dias a escutá-las, porque é uma coisa que se faz pouco. Estamos com a mente atolada de informações e criamos preconceitos», disse o realizador Mário Patrocínio à Lusa, quando o filme passou no DocLisboa.

Para fazer avançar na altura o projeto, em 2005, os dois irmãos tiveram que recorrer a financiamento próprio, porque não havia quem arriscasse apoiar a realização de um filme dentro da favela.

«Achavam que éramos loucos, que nos iam roubar, que nos iam matar. Juntámos dinheiro, vendemos na altura o carro, [o filme] foi feito com suor e sangue», contou.

O Complexo do Alemão congrega mais de uma dezena de favelas, o maior conjunto da América Latina, e foi recentemente alvo de uma aparatosa operação policial para travar o narcotráfico.
PUB
EM BAIXO: Complexo Paralelo
Complexo Paralelo

COMENTÁRIOS

PUB
Cavaco sobre legislativas: sem maioria "é preciso aguardar"

Presidente da República defende que das eleições saia um Governo "com apoio maioritário" na Assembleia da República. Mas se tal não acontecer, Cavaco Silva diz que aguarda por uma solução