O filme «Whiplash» venceu a 30.ª edição do festival de Sundance e foi também o preferido do público, segundo a organização.

Escrito e realizado por Damien Chazelle, «Whiplash» conta a história de um jovem aprendiz de bateria que está determinado a conseguir a perfeição a todo o custo.

Como melhor drama realizado fora dos Estados Unidos foi distinguida a película co-produzida por chilenos e franceses «Matar a un hombre», de Alejandro Fernández Almendras, que relata as tensões entre um delinquente que disparou sobre o filho do seu vizinho, um trabalhador humilde e honrado.

O anúncio dos vencedores decorreu numa cerimónia, no sábado, em Park City, no Estado de Utah, na véspera do encerramento do festival mais prestigiado de cinema independente.

Na categoria dos documentários feitos nos Estados Unidos, «Rich Hill» foi o escolhido do júri e «Alive Inside: A Story of Music & Memory» o preferido do público.

Os documentários estrangeiros vencedores foram «Return to Homs» (Síria, Alemanha), através da escolha do júri, e «The Green Prince» (Alemanha, Israel, Reino Unido), que recebeu o prémio da audiência.

O público também distinguiu como melhor ficção internacional o filme etíope «Difret».

Os galardões para melhores realizações nesta edição foram para Cutter Hodierne («Fishing Without Nets») e Ben Cortner e Ryan White («The Case Against 8»), nas categorias de ficção e documentário nos Estados Unidos.

A nível internacional, foram premiados os realizadores Sophie Hyde («52 Tuesdays») e Iain Forysth e Jane Pollard («20.000 Days On Earth»), em ficção e documentário, respetivamente.

O festival de Sundance iniciou-se a 16 de janeiro e contou com 121 projeções de 37 países. Trinta e cinco películas estiveram em competição.