Os filmes «Os Gatos Não Têm Vertigens», «Os Maias» e «O Grande Kilapy» são os mais nomeados para a quarta edição dos prémios Sophia, de acordo com o anúncio feito esta quarta-feira em Lisboa, pela Academia Portuguesa de Cinema.

«Os Gatos Não Têm Vertigens», de António-Pedro Vasconcelos, conta com 15 nomeações, de um total de 20 categorias, abrangendo praticamente todas as áreas: realização, representação feminina e masculina, direção de fotografia ou argumento original.

«Os Maias – Cenas da vida romântica», de João Botelho, o filme português mais visto de 2014, soma 13 nomeações para os prémios Sophia, também nas principais categorias.

Com doze nomeações surge «O Grande Kilapy», do realizador angolano Zezé Gamboa.

A cerimónia dos prémios Sophia está marcada para 2 de abril, no Centro Cultural de Belém, em Lisboa.

Para melhor filme estão nomeados «A Vida Invisível», de Vítor Gonçalves, «O Grande Kilapy», «Os Gatos Não Têm Vertigens» e «Os Maias». Todos os realizadores estão nomeados na categoria de melhor realização.

Destaque para a atriz Maria João Pinho, com uma dupla nomeação: para melhor atriz principal, em «A vida invisível», ao lado de Filipe Duarte, que também está nomeado para melhor ator, e para melhor atriz secundária, em «Os Maias».

Para melhor documentário foram selecionados «Guerra ou Paz», de Rui Simões, «Fado Camané», de Bruno de Almeida, «E agora? Lembra-me», de Joaquim Pinto, e «Alentejo, Alentejo», de Sérgio Tréfaut.

Ao prémio Sophia de melhor curta-metragem de animação concorrem «20 Desenhos e Um Abraço», de José Miguel Ribeiro, «Canto dos 4 Caminhos», de Nuno Amorim, «Foi o Fio», de Patrícia Figueiredo, e «Fuligem», de David Doutel.

A Academia já tinha anunciado anteriormente que a atriz Eunice Muñoz e o ator e encenador Luís Miguel Cintra vão ser distinguidos com o Prémio Carreira 2015.

Os prémios Sophia foram lançados em 2012, para distinguir os profissionais do cinema nacional pelos próprios pares, e incluem cerca de duas dezenas de categorias.

A Academia Portuguesa de Cinema foi fundada em 2011 e é presidida pelo produtor Paulo Trancoso.

No ano passado, Joaquim Leitão venceu o prémio Sophia de melhor realizador, pelo filme «Até amanhã camaradas». O Sophia de «Melhor Filme» foi atribuído a «A última vez que vi Macau», de João Pedro Rodrigues e João Rui Guerra da Mata.