A atriz brasileira Odete Lara morreu, esta quarta-feira, aos 85 anos, no Rio de Janeiro, informa a GloboNews. As causas da morte ainda não foram divulgadas. O corpo da atriz será cremado quinta-feira, em cerimónia no Cemitério Luterano de Nova Friburgo, na Região Serrana, nos arredores do Rio de Janeiro.
 
Nascida em São Paulo, Odete Lara era filha de imigrantes italianos. Ainda muito jovem, sofreu uma tragédia na vida pessoal, quando o pai e a mãe se suicidaram. Loira, olhos verdes, de beleza exuberante, começou a carreira como modelo e participou do primeiro desfile de moda no país.
 
Pouco depois chegou à televisão e fez telenovelas nas televisões Excelsior e Tupi. Já na Rede Globo recusou um convite para viver a vilã Odete Roitman na novela «Vale Tudo», que seria um dos papéis mais marcantes da televisão brasileira.
 
Odete Lara, que também cantava, conquistou o título de musa do Cinema Novo nos anos 1960 e 70, quando esteve no centro da efervescência cultural do Brasil. A atriz contracenou com atores como Jece Valadão, com quem fez filmes como «Boca de Ouro» (1964) e «Otto Lara Rezende ou… Bonitinha, Mas Ordinária» (1963). No teatro partilhou o palco com nomes como Vinicius de Moraes, Sérgio Mendes e Chico Buarque.
 
 
Odete Lara encerrou a carreira cinematográfica em 1978, com o filme  «O Princípio do Prazer», de Luiz Carlos Lacerda, depois de se converter ao budismo e adotar uma vida de reclusão no Rio de Janeiro.
 
Depois de anos sem atuar, a atriz regressou à tela em 1985 com «Um Filme 100% Brasileiro», de José Sette. Nos anos 1990, faria mais um filme, «Vai Trabalhar, Vagabundo II - A Volta (1991)», de Hugo Carvana. No total, Odete Lara participou em quase 40 filmes ao longo da carreira.
 
Na televisão, Odete Lara participou ainda em mais duas telenovelas, na Rede Globo: «O Dono do Mundo» (1991) e «Pátria Minha» (1994), o último trabalho da atriz.
 
Odete Lara foi casada com o dramaturgo Oduvaldo Vianna Filho, o autor Euclydes Marinho e com o realizador Antonio Carlos Fontoura, mas não teve filhos.