A segunda edição do Leiria Film Fest chega a 22 de março com filmes para mostrar e prémios para entregar, mas vai revelar o recuo da produção nacional, nomeadamente na região de Leiria, disse esta quinta-feira um dos responsáveis.

A conclusão é de Bruno Carnide, realizador e um dos responsáveis pelo festival que pretende mostrar o que se faz a nível local, nacional e internacional no campo da curta-metragem.

«Se compararmos com a edição anterior, o cinema da região está a diminuir. Em compensação, recebemos mais inscrições internacionais, o que veio equilibrar as coisas. Mas há que dizê-lo sem medos: o cinema internacional está bastante acima do que se faz por cá - e contra mim falo, que sou realizador», observou.

Ao todo, o Leiria Film Fest recebeu para esta segunda edição 113 filmes, candidatos aos dez prémios em competição. No dia 22 de março, uma seleção de 16 será projetada no Teatro Miguel Franco.

«Uma das novidades é termos um espaço mais acolhedor. E há troféus para os vencedores e uma palestra sobre cinema. E haver uma segunda edição é, já por si, uma novidade», sublinhou Bruno Carnide.

Neste segundo ano, em que apenas foram aceites curtas de ficção, serão entregues prémios para os melhores filmes de Leiria, Portugal e internacional. Além disso, serão distinguidos os melhores trabalhos ao nível da realização, fotografia, edição, sonoplastia, argumento e representação.

Novidade é, também, a atribuição de um prémio pelo público, que terá entrada livre no festival.