O filme português «Capitão Falcão», de João Leitão e protagonizado por Gonçalo Waddington, no papel de um super-herói fascista, estreia-se a 23 de abril em cerca de 50 salas, disse à Lusa o realizador.

Sendo uma paródia ao Estado Novo, envolvendo fascistas, comunistas e revolucionários, a produção sempre quis apontar a estreia para perto do aniversário da revolução de abril de 1974, explicou João Leitão. Acontecerá este ano com distribuição da NOS Lusomundo Audiovisuais.

A rodagem de «Capitão Falcão» terminou em 2013, mas a pós-produção estendeu-se por mais um ano, por causa dos efeitos especiais e da banda sonora, composta por Pedro Marques e gravada pela Orquestra Sinfónica de Praga.

«Foi um bocado demente, mas foi uma grande aposta nossa, na música e na pós-produção», disse João Leitão.

«Capitão Falcão» conta com Gonçalo Waddington no papel de Capitão Falcão e David Chan no de Puto Perdiz, uma espécie de «Batman e Robin, mas fascistas», disse João Leitão à Lusa num dos últimos dias de rodagem, em novembro de 2013.

É um filme de aventura e ação passado nos anos 1960 em Portugal, em que o super-herói tem como missão, a mando de Oliveira Salazar, defender os valores do Estado Novo e combater os vilões - os que lutam pela liberdade e pela democracia -, como os comunistas e os capitães de abril.

O elenco inclui também José Pinto, no papel de Salazar, Rui Mendes, Luís Vicente, Miguel Guilherme, Carla Maciel, Bruno Nogueira, Nuno Lopes, Ricardo Carriço e um grupo de duplos que interpretaram as cenas coregrafadas de pancadaria, quedas e explosões, supervisionadas pelo ator David Chan.