O documentário «Pára-me de repente o pensamento», com a realização de Jorge Pelicano, é o vencedor do Grande Prémio da 20ª edição do Festival Caminhos do Cinema Português, de Coimbra.

A longa metragem, a terceira da autoria do realizador e repórter de imagem, reporta-nos ao Centro Hospitalar Conde Ferreira, um centro psiquiátrico no Porto, onde Jorge Pelicano documentou o dia-a-dia dos pacientes, e a sua interação com o ator Miguel Borges, que mergulha no mundo interior da esquizofrenia.

 

O documentário esteve em exibição no dia 16 de novembro no Festival conimbricense, que decorreu entre 14 de novembro e este sábado, no Teatro Académico Gil Vicente.

O galardão será entregue às 22:00 deste sábado, na cerimónia de entrega de prémios, que decorrerá no mesmo teatro, junto à Praça da República, onde Pelicano também será premiado como melhor realizador.

Em concurso estiveram 63 filmes, de curtas e longas-metragens a documentários e animações.

O prémio Curta-Metragem Turismo do Centro foi atribuído à película de Luís Vieira Campos, «Bicicleta», e o realizador João Canijo recebeu o prémio Longa-Metragem Caves Vale do Rodo, referiu a organização em comunicado enviado à agência Lusa.

«E agora? Lembra-me», de Joaquim Pinto, ganhou o galardão de Melhor Documentário, «Coro dos Amantes», de Tiago Guedes, o prémio Imprensa, e «Coveiro», de André Gil Mata, de Melhor Animação.


O jovem realizador Adriano Mendes, 26 anos, foi distinguido com o prémio Revelação, com a película «O Primeiro Verão», produzida em 2014.

Segundo o comunicado da organização, o júri do Caminhos decidiu atribuir a Nuno Pardal o galardão de Melhor Ator pela sua representação em «Éden», e Isabel Abreu conquistou a distinção de Melhor Atriz com «Coro dos Amantes».

Na categoria de Ensaios - secção competitiva destinada a alunos do ensino secundário e superior -, o estudante da Escola Superior de Teatro e Cinema, de Lisboa, Diogo Baldaia, venceu o prémio de melhor filme com «Fúria».

O prémio do Público será apenas divulgado na cerimónia de entrega dos galardões.

Apesar da crise, o festival não encontrou uma «diminuição de produção», tendo-se registado 381 inscrições de filmes a concurso na Seleção Caminhos, contou Vitor Ferreira, diretor do festival, acrescentando que foram inscritos cerca de 80 filmes na Seleção Ensaios - secção destinada a películas produzidas em contexto académico.