O Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, considerou esta terça-feira que o cineasta Manoel de Oliveira é «um caso especial» do cinema europeu, sublinhando a contibuição dos seus filmes e documentários na divulgação de Portugal e da sua cultura.

«Manoel de Oliveira é um caso especial, não apenas no cinema português, mas também no cinema europeu», afirmou Cavaco Silva, durante a inauguração de uma exposição sobre a vida e obra do cineasta português, na Academia das Artes, em Berlim.

Recordando que Manoel de Oliveira completou recentemente 100 anos, o chefe de Estado sublinhou a importância das dezenas de documentários e filmes para a divulgação de Portugal.

«Realizou dezenas de documentários e filmes que ajudaram a conhecer melhor Portugal, a sua gente e cultura», salientou, lembrando que, há poucas semanas, o último filme de Manoel de Oliveira - «Singularidades de uma rapariga loura» - foi apresentado precisamente na capital alemã, no Festival de Cinema de Berlim.

Em declarações aos jornalistas no final da cerimónia de inauguração da exposição, Manoel de Oliveira confessou ter sido «muito gratificante» ter estado ao lado do Presidente da República na ocasião.

«Foi muito gratificante, é uma exposição excelente, uma coisa extraordinária», declarou.

A exposição dedicada ao realizador português, que esteve patente no Museu Serralves por ocasião do centenário do seu nascimento, apresenta fotografias e inclui a projecção de filmes.

A mostra, que é comissariada por João Fernandes, director do Museu de Serralves, e por João Bérnard da Costa e é exibida pela primeira vez fora de Portugal, estará patente em Berlim até ao final do mês.

Entretanto, segundo revelou o director do Museu de Serralves na inauguração da exposição, um dos próximos trabalhos de Manoel de Oliveira será «uma reflexão sobre os painéis de São Vicente», que será feita especialmente para a colecção de Serralves.