O filme francês «Benoît Brisefer: Les Taxis Rouges», adaptação da banda desenhada do autor belga Peyo, está a ser rodado em Lisboa e tem co-produção da Filmes do Tejo, disse à agência Lusa fonte da Lisbon Film Comission.

A longa-metragem, com realização do francês Manuel Pradal e com um orçamento de 11 milhões de euros, está a ser rodada desde o início do mês e adapta para cinema uma série de BD publicada nos anos 1960 pelo mesmo criador dos Estrumpfes/Smurfs.

A produtora Lambart anunciou na quarta-feira que esta é a primeira transposição para cinema das aventuras de Benôit Brisefer, um menino de dez anos, bem educado, que detesta injustiças e que tem uma força sobre-humana, um superpoder que só não funciona quando se constipa.

No papel de Benôit Brisefer está o ator Leopold Huet, à frente de um elenco que inclui ainda Jean Reno e Gérard Jugnot, e participações dos portugueses Paula Guedes, Lídia Franco, João Maria Pinto e Cândido Ferreira.

Em Portugal foram publicadas algumas das histórias de Peyo, com Benôit Brisefer a ser batizado de João Valentão e Kim Kebranoz.

De acordo com Cristina Matos Silva, da Lisbon Film Comission, o filme será rodado na íntegra em Portugal, com filmagens em locais públicos de Lisboa, como o Largo da Graça, Xabregas, Estrela, sendo recriada a localidade inventada por Peyo, a Vivejoie-la-Grande.

A produtora Maria João Mayer, da Filmes do Tejo, disse à agência Lusa que na rodagem estão envolvidos entre 50 a 60 técnicos portugueses. Há um ator português que fará de duplo do pequeno herói.

A Lisbon Film Comission, organismo da autarquia de Lisboa criado para atrair produções de cinema e audiovisual na cidade, deu apoio não financeiro a esta produção francesa no valor de dez mil euros, disse Cristina Matos Silva.

De acordo com a produtora francesa, a estreia do filme está marcada para outubro de 2014.

As aventuras de Benôit Brisefer, editadas originalmente em 13 volumes, venderam cerca de nove milhões de exemplares e estão traduzidas em vinte línguas, de acordo com a AFP.

Peyo, nome artístico do autor de banda desenhada belga Pierre Culliford, morreu em 1992 aos 64 anos.