Keira Knightley posou recentemente em topless para a revista « Interview» como forma de protesto contra o uso abusivo do Photoshop. A atriz britânica exigiu que as fotografias não fossem retocadas para que as pessoas pudessem ver como o corpo dela realmente é. A atitude é corajosa, mas arriscada para a profissão dela, refere a revista «Time».

«Eu vi meu corpo ser manipulado tantas vezes por tantas razões diferentes, quer se trate de paparazzi ou de cartazes de cinema», disse Knightley. «Essa sessão foi uma daquelas em que eu disse: “OK, eu não tenho problema em fazer topless desde que não ponham nenhum deles [seios] maior ou os retoquem”. Porque é realmente importante dizer que não importa a forma que você tem», defendeu.



A figura de Knightley foi distorcida de forma controversa para o cartaz do filme «Rei Arthur», em 2004. Os seios da atriz foram editados para parecerem maiores do que são na vida real. Embora o estúdio tenha suportado o peso desse escândalo, Keira Knightley ficou sob fogo cerrado em 2006, quando ela e Scarlett Johansson posaram completamente nuas com um modelo masculino vestido por Tom Ford na capa da revista «Vanity Fair», numa imagem que enfatizou a lacuna entre a realidade e as exigências que são feitas aos homens e mulheres famosos na forma como jogam a sexualidade.



Mas Keira Knightley toma agora uma posição. O ensaio fotográfico para a «Interview» captura a verdadeira figura - incluindo o verdadeiro tamanho do peito da atriz. «Eu acho que os corpos das mulheres são um campo de batalha e a fotografia é parcialmente responsável», disse a atriz ao jornal britânico «The Times». «A nossa sociedade agora é tão fotográfica, que se torna mais difícil ver todas essas variedades de forma», sublinhou.

Mas essa é apenas uma das muitas verdades espontâneas que a atriz de 29 anos tem proclamado na ronda atual de entrevistas. Recentemente, Keira Knightley também afirmou à Net-a-Porter que, como feminista, sente-se aborrecida porque a maioria dos filmes refletem apenas o que os homens brancos de meia-idade querem e com que se identificam. A atriz revela que já recusou muitos papéis por achar que lhe estava ser pedido que fizesse coisas que atores masculinos nunca são convidados a fazer, nomeadamente sexo gratuito e violência. «É realmente uma pergunta difícil: até onde é que devemos ir, quanta carne é que podemos mostrar», questionou. «Estamos a dizer que deveríamos ser sexualmente livres, mas, novamente não tão sexualmente livres. É confuso», revela.

A atriz disse ainda que deixou os contos de fadas para trás há muito tempo: «Por que é que você haverá de estar à espera que um raio de um príncipe encantado a venha salvar?».