O filme «A Última Vez Que Vi Macau», de João Pedro Rodrigues e João Rui Guerra da Mata, irá representar Portugal nos Prémios Goya, os galardões do cinema espanhol, numa cerimónia que se realizará em fevereiro do próximo ano, escreve a agência Lusa.

O anúncio foi feito na quarta-feira pela Comissão da Academia Portuguesa de Cinema. «A Última Vez Que Vi Macau» concorre na categoria de Melhor Filme Ibero-Americano.

O filme foi rodado em Portugal, em Macau, e na China, e do elenco fazem parte os dois realizadores e o transformista Cindy Scrash, entre outros.

«A Última Vez Que Vi Macau» estreou-se em janeiro passado, na Suíça, e em março, nos ecrãs nacionais.

Segundo comunicado da Academia, «os realizadores evocam um tempo e um mundo perdido na paisagem de Macau, transportando-nos num filme que quebra todas as regras e reinventa a nossa relação com a imagem sonhada e a memória. Uma ficção [em que], de acordo com os próprios, o filme negro cruza a ficção científica, entre memórias pessoais e visões do apocalipse».



A Academia afirma ainda que se trata de «um filme misterioso, exuberante, que atravessa as fronteiras do cinema e devolve-nos a intimidade da narração», rematando que se trata de «uma obra maior do cinema nacional».

O filme tem sido apresentado em diversos festivais. Em junho passado fez parte do cartaz do Festival de Edimburgo.

Portugal já recebeu um Prémio Goya, em 2008, pelo «Fado da Saudade», de Fernando Pinto do Amaral, na música do Fado Menor em Versículo, atribuído a Alfredo Marceneiro, interpretado por Carlos do Carmo.

O fado faz parte da banda sonora de «Fados», de Carlos Saura, uma coprodução luso-espanhola, e conquistou o Goya para a Melhor Canção Inédita.