Lisboa volta a juntar-se, na sexta-feira, à "maior competição de curtas-metragens do planeta" ao acolher uma nova edição do "48 Hour Film Project", com os participantes a terem de fazer um filme em 48 horas.

Esta será a quinta vez que Lisboa acolhe a iniciativa internacional, que desafia realizadores amadores e profissionais a fazerem uma curta-metragem em dois dias. Só no próprio dia é que os participantes sabem o género do filme e a inclusão de três elementos obrigatórios.

O "48 Hour Film Project" aconteceu pela primeira vez em 2001 em Washington, nos Estados Unidos, e atualmente realiza-se em mais de 130 cidades. "Em quase todos os fins-de-semana numa parte do mundo acontece um 48 Hour", afirmou à agência Lusa João Loff, produtor da edição lisboeta de 2015.

Este ano estão inscritas dez equipas para realizar um filme cujo arranque de rodagem começa às 18:00 de sexta-feira, com ponto de encontro no Centro de Artes Culinárias, no mercado de Santa Clara, e que termina no domingo ao final do dia no Hard Rock Café.

As curtas-metragens que forem concluídas e admitidas estrearão no dia 28 de junho, no cinema São Jorge, e a que for escolhida como vencedora irá competir com filmes de todo o mundo no Filmapalooza, em Los Angeles, nos Estados Unidos.

A última vez que Lisboa acolheu o "48 Hour Film Project" foi em 2012. Na altura a produtora que organizava a maratona em Lisboa seguiu outro rumo e nos dois anos seguintes não houve iniciativa lisboeta.

João Loff, que venceu a edição de 2012 com o filme "Os indomáveis", decidiu pegar novamente no projeto, realizando-o no fim-de-semana que coincide com o solstício de verão.

De acordo com o produtor, habitualmente entre os participantes "há um bocado de tudo, profissionais, amadores, estudantes, gente da publicidade", mas este ano há menos estudantes - porque a maratona coincide com época de exames - e a média de idades é acima dos trinta.

Além de Lisboa, também Castelo Branco aderiu à iniciativa internacional, tendo realizado a maratona de curtas-metragens em fevereiro passado, da qual saiu vencedor o filme "Do céu já não caem lágrimas", de João Pedro Nunes.