O novo filme do realizador António-Pedro Vasconcelos vai ser rodado em Viseu, adiantou este domingo à agência Lusa fonte oficial da Câmara de Viseu.

A cidade "será palco e cenário de uma grande produção do cinema nacional", dando-lhe ainda "alma, história e conteúdo". "A rodagem do filme passará pelo centro histórico de Viseu e por um conjunto de locais emblemáticos da cidade"


O novo filme de António-Pedro Vasconcelos - autor de êxitos de bilheteira como "Call Girl", "Jaime", "A Bela e o Paparazzo" e "Os Gatos não têm Vertigens" - vai ser produzido pela MGN Filmes/Tino Navarro.

Fonte oficial da Câmara de Viseu avançou ainda que a produção do filme espera poder contratar em Viseu alguns atores e um número significativo de figurantes. Para o efeito, realiza-se na quarta-feira um casting aberto a todos os interessados.

"Também três estudantes ou profissionais locais terão a oportunidade de colaborarem com a equipa do filme, tendo assim acesso a uma experiência formativa única nos bastidores da produção", informou.

O município de Viseu "é o principal parceiro local da iniciativa, dando apoio à rodagem e à produção em Viseu, e promovendo um amplo envolvimento da comunidade". "Vários parceiros locais e regionais serão também participantes, entre os quais a Visabeira, o Turismo do Centro e o Instituto Politécnico de Viseu", referiu.

Para o presidente da Câmara de Viseu, Almeida Henriques, este filme é "uma oportunidade imperdível para Viseu, para a sua imagem e promoção e para o orgulho local". "Será também uma oportunidade valiosa para muitos jovens interessados no cinema", concluiu.

António-Pedro Vasconcelos vai receber 600.000 euros do Instituto do Cinema e Audiovisual (ICA), no âmbito de um dos concursos de 2014 de apoio a longas-metragens de ficção, foi anunciado no dia 07.

Depois de "Os gatos não têm vertigens", um dos filmes portugueses mais vistos de 2014, e que conquistou nove prémios Sophia, António-Pedro Vasconcelos inicia agora uma nova longa-metragem.

O filme tem ainda o título provisório de "Morrer por amor", tendo o realizador adiantado à Lusa, no dia 07, que o argumento é de Tiago Santos, colaborador dos seus filmes mais recentes.