A MostraLíngua - Mostra Internacional de Cinema em Língua Portuguesa, festival criado há dois anos em Coimbra, vai ter uma extensão em Maputo, Moçambique, entre os dias 6 e 10 de Março, através de alguns das obras galardoadas.

Esta primeira extensão do festival resulta de uma organização conjunta da Associação Eufaria, que o promove em Coimbra, e do Cineclube Komba Kanema, de Maputo.

Alguns dos filmes premiados nas edições de 2007 e 2008, oriundos de vários países, serão exibidos no Cinema Scala de Maputo, conjugados com debates com os realizadores Joselito Crispim (Brasil) e António Ferreira (Portugal), que abordarão a aprendizagem do cinema e a prática de produção.

Dos dois realizadores presentes serão apresentadas retrospectivas das suas obras. Do brasileiro Joselito Crispim «Ilha do Rato», «29 Polegadas» e «Sim, não mal conduto», todos eles rodados em parceria com Bernard Attlal. Do português António Ferreira serão exibidas as obras de ficção «Gel Fatal», «Deus não Quis», «Esquece tudo que te disse» e «Respirar (debaixo d`água)».

Também o cineasta brasileiro Esmir Filho merecerá destaque, com a projecção das suas obras «Alguma coisa assim», «Tapa na Pantera», «Ímpar Par» e «Saliva».

Muitos filmes para ver

De Portugal serão também exibidos os filmes de ficção «Baby Love», de Miguel Estima, «Pago para Ver», de Luís Manuel Almeida, «Azeitona», de Ana Almeida, Humberto Rocha, João Gazua e Luís Campos, e «Corações de plástico», de Sérgio Brás d`Almeida.

Ao nível documental serão apresentados os portugueses «Rockumentário», de Sandra Castiço, «Acesso Reservado», de Pedro Lemos e Gustavo Ribeiro, «Os Filhos do Tédio», de Rodrigo Fernandes e Rita Alcaire, bem como o experimental «Operário em construção», de Eduardo Nascimento e Pedro Canotilho.

De autores brasileiros estão ainda programadas as obras de ficção «Falar Dói», de Júlia Teles, «Engano», de Cavi Borges, «Um Ramo», de Juliana Rojas e Marco Dutra, e ainda a documental «Identidades em Trânsito», de Mércio Câmara e Danielle Ellery.

Igualmente do cinema documental serão exibidas as obras moçambicanas «A Bola», de Orlando Mesquita, «I Love You», de Rogério Manjate, «Saltando à Corda», de Chico Carneiro, bem como «É dreda ser Angolano», de Rádio Fazuma (Angola/Portugal).

Filmografia atraente

Ao nível do cinema experimental e de ficção estão programadas as obras moçambicanas «As minhas calças favoritas», de Ivan Khan, «Marabentando em Gaza», filme colectivo dirigido por Karen Boswall, e «O Olhar das Estrelas», de João Ribeiro.

O festival MOSTRALÍNGUA tem como principal dinamizadora Tathiani Sacilotto, uma brasileira dedicada à produção em Portugal, e pretende mostrar uma filmografia atraente, com novas linguagens, e que possa despertar prazer no público.

«Comecei a ver filmes e era uma chatice. Eram filmes aborrecidos, com que o público não se identificava. Eram filmes de autor para autor», confessou a directora do festival à agência Lusa, ao aludir à estratégia diferente deste festival.

Esta extensão a Moçambique é uma forma de o festival continuar a cumprir o seu principal objectivo: promover o diálogo cultural entre os oito países da CPLP, referiu a organizadora.