O Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, sublinhou hoje na Coreia do Sul que os empresários portugueses têm sido «o motor da economia» portuguesa, desempenhando «um papel decisivo» para permitir ultrapassar a crise nos últimos três anos, escreve a Lusa.

«Os nossos empresários e aqueles que trabalham nas empresas em geral estão a desempenhar um papel decisivo no nosso país. Eles estão a vencer, com muito esforço, o desafio da inovação e da diversificação de mercados, a conseguir penetrar em novos mercados», afirmou hoje em Seul o chefe de Estado, durante um encontro com membros da comunidade portuguesa na Coreia do Sul e empresários da delegação que acompanham a visita oficial de Cavaco Silva a este país, a decorrer hoje e na segunda-feira.

«Estes empresários, que têm sido, através das exportações e do investimento, o motor da economia portuguesa, no qual colocamos neste momento muita esperança para ultrapassar as dificuldades por que o país passou nos últimos três anos, vão ter a oportunidade de se encontrar com os seus parceiros coreanos e estou certo que sairá daqui um contributo para atenuar o desequilíbrio das relações comerciais entre Portugal e a Coreia e também um melhor conhecimento do nosso país, para que mais coreanos possam visitar Portugal», declarou o Presidente.

Cavaco Silva destacou a importância de os empresários nacionais conseguirem «penetrar no mercado sul-coreano, na medida em que Portugal tem um "deficit" significativo nas relações comerciais com este país», importando «bastante mais» do que aquilo que exporta.

Sobre a visita oficial, o chefe de Estado disse pretender dar a conhecer «as potencialidades de Portugal» e «reforçar a cooperação na área política, na área económica e empresarial, mas também na área económica e científica».

Os portugueses na diáspora também têm como missão proporcionar um melhor conhecimento de Portugal, referiu.

«São importantes embaixadores de Portugal nos países onde vivem e trabalham, para darem a conhecer melhor o nosso país, para lembrar as nossas potencialidades, as riquezas históricas e culturais, para falar da qualidade dos nossos produtos, para referir as belezas, por forma a que se abra caminho para que as exportações portuguesas cheguem mais facilmente a esses países e para que mais habitantes desses países se interessem em visitar Portugal como turistas», disse.

O Presidente da República aproveitou a ocasião para agraciar três sul-coreanos «que têm contribuído para dar visibilidade» de Portugal «nesta parte do Mundo e para as relações que existem entre Portugal e a Coreia».

Hong Ji-woong, que tem editado livros de escritores portugueses e diretor do Museu Mimesis, cujo edifício foi desenhado pelo arquiteto Siza Vieira, foi distinguido como comendador da Ordem do Infante D. Henrique.

Yoo Un-Seong, diretor da Cinemateca, recebeu o grau de oficial da Ordem do Infante D. Henrique, pelo seu «contributo para a divulgação do cinema português» na Coreia do Sul.

O Presidente da República atribuiu ainda o grau de oficial da Ordem do Mérito a Mi-Jeong Park, chanceler na embaixada de Portugal em Seul desde a sua abertura, há 28 anos.