O Presidente da República inaugurou, esta segunda-feira, uma fábrica de equipamentos agrícolas para mostrar "bons exemplos" e reiterar que os motores do crescimento económico têm de ser "o investimento, o investimento privado e as exportações".

"Volto a dizer, já o disse noutras ocasiões, e é óbvio para a generalidade dos economistas e para aqueles que sabem um pouco de macroeconomia, que os motores do crescimento económico da nossa economia não podem deixar de ser o investimento, o investimento privado e as exportações", afirmou Aníbal Cavaco Silva.

De acordo com a Lusa, o chefe de Estado argumentou que, "se não for assim", o país "virá a encontrar-se, mais tarde ou mais cedo, em situações de desequilíbrio externo insustentáveis e com dificuldades de financiamento, como aconteceu no passado" e espera que não volte a acontecer.

"Fiz questão de aceitar este convite porque quero manter até ao fim uma das linhas de orientação mais importantes dos meus mandatos: estimular o dinamismo empresarial, dar a conhecer bons exemplos de empresas que investem, que projetam um clima de confiança no nosso país, empresas que exportam, que inovam, que apostam na investigação e na qualidade, que conquistam novos mercados, como é o caso desta empresa em Torres Vedras", afirmou Aníbal Cavaco Silva.

O Presidente esteve em Torres Vedras na inauguração de uma nova fábrica de equipamentos agrícolas da quase centenária Tomix, do grupo Joper, que começou como uma empresa familiar e atualmente é, frisou "uma empresa qualificada como excelente, uma referência na península ibérica, uma empresa que exporta, uma empresa que cria empregos".

"Só posso felicitar empresários como este que hoje encontrei aqui em Torres Vedras, com a aposta certa no investimento, aposta certa na exportação e na inovação", declarou.

Cavaco Silva recusou, na ocasião, pronunciar-se sobre notícias avançadas hoje que dão conta de 18 medidas defendidas pela "troika" (Banco Central Europeu, Comissão Europeia e Fundo Monetário Internacional), cuja missão estará de volta a Lisboa a 27 de janeiro, numa terceira avaliação pós-programa de assistência económico-financeira.

O Presidente respondeu que os assuntos do Governo são tratados com o primeiro-ministro nas reuniões que mantêm às quintas-feiras.