O Bloco de Esquerda anunciou hoje ter retirado a confiança política e apoio à candidatura do partido à Câmara de Elvas, após denúncia do SOS Racismo de comentários xenófobos num blogue alegadamente de apoio à campanha.

«A direção do BE retira a confiança política à candidatura, à qual deixará de emprestar todo e qualquer apoio», seja «técnico, logístico, financeiro», revelou o partido, em comunicado enviado à agência Lusa.

Segundo o BE, as consequências desta decisão devem agora ser «cumpridas e aplicadas» pela distrital de Portalegre e pela concelhia de Elvas do partido.

A retirada de confiança política por parte da direção do BE à candidatura autárquica a Elvas, liderada por Francisco Castelo, surge na sequência de uma denúncia do SOS Racismo.

Esta organização acusou, na quarta-feira, a candidatura do BE à câmara daquela cidade alentejana de publicar «textos racistas» contra a etnia cigana no seu «blogue de campanha».

Em causa estava o blogue, que a Lusa confirmou hoje ter sido eliminado, mas que, segundo o SOS Racismo, era «de apoio à candidatura de Francisco Castelo».

Contudo, o responsável pela coordenadora distrital de Portalegre do BE, Paulo Cardoso, disse à Lusa, na quarta-feira, que o blogue não era oficial, nem estava ligado ao candidato a Elvas, e que os textos já tinham sido retirados.

Essa página, referiu o SOS Racismo, apresentava «textos racistas», alegadamente publicados no início de fevereiro e no final de agosto.

«Os textos imputam vários comportamentos ilícitos à comunidade cigana» residente em Elvas, «acusando-a de se dedicar a roubos, de não pagar impostos, nem de trabalhar», exemplificou a organização.

A direção nacional do BE explica ter tomado conhecimento, na quarta-feira, «do teor de alguns comentários xenófobos» feitos «num site de apoio à candidatura autárquica» do partido a Elvas.

«Apesar de se tratar de opiniões pessoais do seu autor, o BE entende ser necessário condenar a sua inscrição num site de uma candidatura apoiada pelo Bloco e fazer uma clara demarcação face ao teor inaceitável dos referidos comentários», justifica o partido.

O Bloco de Esquerda realça ainda que não pode apoiar ¿qualquer candidatura com textos xenófobos¿ numa página de apoio, pois, desde a sua fundação, o partido «bate-se contra todas as formas de discriminação baseadas na cor, meio social, etnia ou orientação sexual».

A Lusa tentou hoje, durante a manhã, contactar telefonicamente o candidato Francisco Castelo e o coordenador distrital de Portalegre do BE, mas as várias tentativas revelaram-se infrutíferas.

Além de Francisco Castelo, os candidatos à câmara, atualmente liderada pelo socialista Rondão Almeida, são o atual vice-presidente do município, Nuno Mocinha (PS), Tiago Abreu (CDS-PP) e José Batista (CDU).