Marcelo Rebelo de Sousa e António Costa empatam nos sentimentos positivos nas redes sociais na semana de 16 a 23 de setembro.

Presidente da República

Esta semana o indicador da opinião nas redes sociais ISCTE-IUL registou fortes quedas no sentimento positivo tanto face ao Presidente da República como ao Primeiro ministro. No entanto, Marcelo Rebelo de Sousa continua a ser o político com menos sentimentos negativos (6%) enquanto António Costa atingiu esta semana os 43%.

Primeiro Ministro e Líder da Oposição

Pela segunda semana consecutiva, António Costa vê os sentimentos negativos e neutros nas redes sociais ultrapassarem o valor dos positivos. Na semana de 16 a 23 de setembro os sentimentos positivos face ao Primeiro Ministro descem 19% e os negativos sobem 11%. Por sua vez, Passos Coelho continua a ser penalizado nas redes sociais, atingindo um novo marco de sentimentos negativos com um aumento de 14 pontos e atingindo o patamar dos 82% de opiniões desfavoráveis. Simultaneamente, o Líder da Oposição volta a descer nos sentimentos positivos (4%) e vê os sentimentos neutros  para consigo transferirem-se para os negativos (9%).

Embora tanto o Primeiro Ministro como o Líder da Oposição desçam nos sentimentos positivos, António Costa conseguiu nesta semana gerar sentimentos positivos cinco vezes superiores (24%) aos de Passos Coelho (5%).

Personalidade da Semana – Mariana Mortágua

Esta semana quisemos analisar os sentimentos gerados nas redes sociais face à segunda personalidade mais citada nas notícias desta semana: Mariana Mortágua.

As declarações da deputada do Bloco de Esquerda sobre a taxação do património geraram uma acesa polémica nas notícias e também nas redes sociais. Nas redes sociais predominaram os sentimentos positivos (63%) face às propostas da deputada enquanto apenas se registaram 37% de sentimentos negativos - demonstrando a forte polarização ocorrida, não se registaram sentimentos neutros estatisticamente relevantes.

Relevante para esta análise é, também, o número de críticas nas redes sociais que poderiam configurar, em diferentes graus, aproximações a "discursos de ódio". Cerca de 30% dos "posts" sobre este tema nas redes sociais centravam-se  em argumentos assentes no género da deputada, na sua família, em ameaças, nas suas características físicas, na sua  personalidade, habilitações académicas e competência.

As ideologias, ou se preferirmos a discussão sobre "capitalismo/comunismo", ocuparam 18% do total das críticas geradoras de sentimento negativo face à deputada do BE. Por último, importa ainda  apontar que a maioria das críticas (52%) se centrou no debate de ideias com especial ênfase para a dicotomia "enriquecimento/poupança" (35%) e "ricos/pobres" (8%).

Ficha técnica:

O Barómetro de Notícias é desenvolvido pelo Laboratório de Ciências de Comunicação do ISCTE-IUL como produto do Projeto Jornalismo e Sociedade e em associação com o Observatório Europeu de Jornalismo. É coordenado por Gustavo Cardoso, Décio Telo, Miguel Crespo e Ana Pinto Martinho. A codificação das notícias é realizada por Rute Oliveira, João Lotra e Sofia Barrocas. Apoios: IPPS-IUL, Jornalismo@ISCTE-IUL, e-TELENEWS MediaMonitor / Marktest 2015, fundações Gulbenkian, FLAD e EDP, Mestrado Comunicação, Cultura e Tecnologias de Informação, LUSA e OberCom.