A banca portuguesa continua a entrar nos tops das notícias. O clima de intranquilidade continua. A banca continua borbulhando em lume branco. O trimestre económico começou com a turbulência da CGD e terminou agora com alienação maioritária (sob proposta do Banco de Portugal) do Novo Banco a um fundo norte-americano sem experiência / vocação / interesse na normal condução de instituições bancárias tradicionais. E com isto o vendedor-em-chefe/ recém-ex-governante Sérgio Monteiro ainda compôs as suas finanças pessoais e de tantos consultores que andam por aí tão carentes.

Porém, isso não bastava: a instabilidade tem tocado também o Montepio Geral. O Banco de Portugal abriu o cenário de desmantelamento do próprio nome dessa conhecida Caixa Económica. A liderança da dona dessa instituição, Associação Mutualista, é também uma causa de desconfiança. E depois aparecem as Misericórdias  como um cenário possível para entrada no capital disto tudo, como se Santana Lopes (que com o Placard e outras inovações tem contribuído para inflamar o vício do jogo em Portugal) pudesse algum dia ser um distinto banqueiro com pergaminhos de idoneidade… É que desses “players” já temos tido suficientes e tem dado no que sabemos.

Enfim…. Não ficamos só chocados com a arrogância de Dijsselbloem ao não pedir desculpa por dizer, de forma implícita, que países como o nosso são países de “mulheres e copos”: ficamos é chocados com a persistência do seu erro de análise, pois Portugal tem estoirado dinheiro é com bancos e banqueiros. Se este indivíduo não sabe isso, o melhor é mesmo procurar um emprego para o qual tenha mais vocação.

Com tanta pirotecnia junta quem não quer parecer pirómano é melhor que não lhe vista a pele! 

 

Ficha técnica:

O Barómetro de Notícias é desenvolvido pelo Laboratório de Ciências de Comunicação do ISCTE-IUL como produto do Projeto Jornalismo e Sociedade e em associação com o Observatório Europeu de Jornalismo. É coordenado por Gustavo Cardoso, Décio Telo, Miguel Crespo e Ana Pinto Martinho. A codificação das notícias é realizada por Rute Oliveira, João Lotra e Sofia Barrocas. Apoios: IPPS-IUL, Jornalismo@ISCTE-IUL, e-TELENEWS MediaMonitor / Marktest 2015, fundações Gulbenkian, FLAD e EDP, Mestrado Comunicação, Cultura e Tecnologias de Informação, LUSA e OberCom.

Análise de conteúdo realizada a partir de uma amostra semanal de aproximadamente 411 notícias destacadas diariamente em 17 órgãos de comunicação social generalistas. São analisadas as 4 notícias mais destacadas nas primeiras páginas da Imprensa (CM, PÚBLICO, JN e DN), as 3 primeiras notícias nos noticiários da TSF, RR e Antena 1 das 8 horas, as 4 primeiras notícias nos jornais das 20 horas nas estações de TV generalistas (RTP1, SIC, TVI e CMTV) e as 3 notícias mais destacadas nas páginas online de 6 órgãos de comunicação social generalistas selecionados com base nas audiências de Internet e diversidade editorial (amostra revista anualmente). Em 2016 fazem parte da amostra as páginas de Internet do PÚBLICO, Expresso, Observador, TVI24, SIC Notícias e JN.