Lembro o 25 abril desde as conversas acaloradas, à mesa, entre o meu pai e o meu avô, em Grândola, a terra que me viu nascer. Sim, lá mesmo, na “Vila Morena”, onde “o povo é quem mais ordena”, segundo Zeca.  Ainda eu começava a exprimir as primeiras palavras, já os termos fascista, comunista, e todo o entusiasmo que advinha dessas palavras entendidas como antónimas, entravam pela casa dentro e me deixam saudades desses tempos em que ninguém era indiferente.

À mesa ou fora dela, o dia em que a liberdade falou mais alto, continua a dar que falar. Na semana que hoje termina ficou, muito justamente, em primeiro lugar nos destaques noticiosos desta semana. Porque continua a dar que falar. E ainda bem, foi para isso que aconteceu. Faz 44 anos mas parece que foi ontem. E espero que o seja amanhã.

E foi de memória que o Presidente da República, neste dia 25 de Abril, falou também aos portugueses. Foi na inauguração do “novo” jardim do Campo Grande, agora chamado de Mário Soares, que lembrou que “sem memória é tentador esquecer a liberdade”.

Sobre direitos conquistados com Abril, o da habitação foi um deles. E, foi nesta semana que o Governo apresentou a Nova Geração de Políticas de Habitação. Consegue o segundo lugar nos destaques noticiosos mas, creiam, ainda agora começou. Muita água vai correr sobre um documento que apresenta 3 grandes eixos: a proposta de uma casa condigna para todos até 2024; rendas acessíveis para a classe média e um programa em que o Estado será inquilino. Num documento que propõe um arrendamento vitalício para inquilinos com mais de 65 anos que vivam há mais de 25 na mesma casa, esta e outras propostas parecem ser perfeitas para uma perfeita luta de “classes”. Direita e Esquerda no parlamento; inquilinos e proprietários, onde estes últimos já vieram contestar, falando em inconstitucionalidade.

Embora nenhum tema tenha conquistado lugares destacados, o futebol fica em terceiro lugar nestes destaques. A possibilidade do Sporting poder ficar vir a conquistar o segundo lugar no campeonato veio tornar mais colorida esta competição. E, na Champions, a novidade é que Cristiano Ronaldo não marcou! Tal aconteceu pela primeira vez esta temporada num jogo desta competição. Apesar disso, o Real está praticamente na final da Liga dos Campeões, e o CR7 também.

Para a semana... teremos o início da temporada Eurovisão em Lisboa. Comparável à Web Summit? Talvez. Mas, para melhor, dizem os especialistas. Há unidades hoteleiras esgotadas há mais de um ano. Lisboa continua no mapa.

 

Ficha técnica:

O Barómetro de Notícias é desenvolvido pelo Laboratório de Ciências de Comunicação do ISCTE-IUL como produto do Projeto Jornalismo e Sociedade e em associação com o Observatório Europeu de Jornalismo. É coordenado por Gustavo Cardoso, Décio Telo, Miguel Crespo e Ana Pinto Martinho. A codificação das notícias é realizada por Sofia Barrocas e Inês Balixa. Apoios: IPPS-IUL, e-TELENEWS MediaMonitor / Marktest 2015, fundações Gulbenkian, FLAD e EDP, Mestrado Comunicação, Cultura e Tecnologias de Informação, LUSA e OberCom.

Análise de conteúdo realizada a partir de uma amostra semanal de aproximadamente 413 notícias destacadas diariamente em 17 órgãos de comunicação social generalistas. São analisadas as 4 notícias mais destacadas nas primeiras páginas da Imprensa (CM, PÚBLICO, JN e DN), as 3 primeiras notícias nos noticiários da TSF, RR e Antena 1 das 8 horas, as 4 primeiras notícias nos jornais das 20 horas nas estações de TV generalistas (RTP1, SIC, TVI e CMTV) e as 3 notícias mais destacadas nas páginas online de 6 órgãos de comunicação social generalistas selecionados com base nas audiências de Internet e diversidade editorial (amostra revista anualmente). Em 2016 fazem parte da amostra as páginas de Internet do PÚBLICO, Expresso, Observador, TVI24, SIC Notícias e JN.