Começo por falar do tema que mereceu o segundo lugar nos destaques noticiosos desta semana. 1 ano sobre os incêndios que destruíram boa parte dos concelhos de Pedrogão Grande, Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pera. 365 onde as marcas se continuam a ver mas que quero aproveitar para contar que aconteceu magia.

Há um ano atrás recebi o mail de uma aluna, Castanheirense, a pedir que a ajudasse a “renovar a alma” de Castanheira de Pera, que tinha aprendido comigo que o Marketing era a ciência capaz de o fazer em relação às marcas e, por isso, também aos destinos. Envolvi colegas, rumámos ao Centro do país, encetámos contactos com os municípios, recebemos emoção, solidariedade, inquietude mas, e sobretudo, muita esperança.

Regressámos a Lisboa, e à Universidade, para fazer o que nos é devido, como missão. Servir o país, dotando os nossos alunos de competências que lhes permitam fazer a diferença. Nas empresas mas, sobretudo, na Sociedade. Fazendo deles excelentes profissionais mas, sobretudo, melhores pessoas.

Todos os alunos finalistas da licenciatura em Gestão de Marketing do ISCTE-IUL (cerca de 30) desenvolveram na sua cadeira de final de curso, projetos de requalificação e dinamização desta região. Plano estratégico para Castanheira, qualificação de parques, dinamização de edifícios devolutos, fábricas, poços de neve, entre outros, também em Figueiró. As 8 apresentações finais decorreram esta semana e, aconteceu magia pois a esperança, 365 dias depois, voltou ao semblante das pessoas. E sorriem por ver gente que não era da terra a vestir a sua camisola. A universidade deve ser isto. E os milhares de horas que alunos e o respetivo professor ofereceram a esta missão, não será em vão. Fica a marca, na terra e nos seus corações.

De resto, temos Mundial a “bombar”. Depois de um início auspicioso com Nuestros Hermanos, o jogo de 4ª feira com Marrocos fez-nos tremer. Esperemos pelo Irão. E pelos outros que hão-de vir. Nenhum português quer menos que assistir à final com jogadores vestidos de verde e encarnado.

Também os professores vão no seu quinto dia de greve. Entre interesses instalados e perspetivas, justas, de progressão de carreira (como em qualquer outra), faz-se o braço de ferro entre a classe e o governo. Enquanto isso, morre um professor de 43 anos. Com 20 anos de carreira e sem carreira. Que todos os dias fazia 140 km, no Alentejo, para ensinar as suas crianças. Que, durante 20 anos, aguardava, nos quentes dias de Verão pela notícia de saber se teria trabalho a partir de Setembro, ou não. Também é isto a vida de tantos professores.

 

 

 

Ficha técnica:

O Barómetro de Notícias é desenvolvido pelo Laboratório de Ciências de Comunicação do ISCTE-IUL como produto do Projeto Jornalismo e Sociedade e em associação com o Observatório Europeu de Jornalismo. É coordenado por Gustavo Cardoso, Décio Telo, Miguel Crespo e Ana Pinto Martinho. A codificação das notícias é realizada por Sofia Barrocas e Inês Balixa. Apoios: IPPS-IUL, e-TELENEWS MediaMonitor / Marktest 2015, fundações Gulbenkian, FLAD e EDP, Mestrado Comunicação, Cultura e Tecnologias de Informação, LUSA e OberCom.

Análise de conteúdo realizada a partir de uma amostra semanal de aproximadamente 413 notícias destacadas diariamente em 17 órgãos de comunicação social generalistas. São analisadas as 4 notícias mais destacadas nas primeiras páginas da Imprensa (CM, PÚBLICO, JN e DN), as 3 primeiras notícias nos noticiários da TSF, RR e Antena 1 das 8 horas, as 4 primeiras notícias nos jornais das 20 horas nas estações de TV generalistas (RTP1, SIC, TVI e CMTV) e as 3 notícias mais destacadas nas páginas online de 6 órgãos de comunicação social generalistas selecionados com base nas audiências de Internet e diversidade editorial (amostra revista anualmente). Em 2016 fazem parte da amostra as páginas de Internet do PÚBLICO, Expresso, Observador, TVI24, SIC Notícias e JN.