A administração do BPN calcula em mil milhões de euros as perdas em depósitos a prazo, tendo apresentado um plano para limitar essa quebra a 197,2 milhões de euros até ao final do ano.

«Estima-se uma perda de aproximadamente 1.000 milhões de euros, tendo em conta a alteração do modelo de negócio BPN» refere, sob o item «Objectivos de Depósitos a Prazo», o «Plano de Dinamização Comercial 2009» do banco, nacionalizado em Novembro de 2008.

«Contudo, com a dinâmica comercial, essa perda poderá ficar-se em 197,2 milhões de euros», acrescenta o plano, que tem como lema «Yes We Can», que o presidente norte-americano Barack Obama usou na recente campanha eleitoral.

Assim, dos 2,83 mil milhões de euros em depósitos a prazo no BPN a 31 de Janeiro, a nova administração tem como objectivo chegar ao final do ano com 2,63 mil milhões de euros (menos sete por cento).

Para conseguir esse objectivo, cada comercial deve angariar «um novo Depósito a Prazo de 25 mil euros, de 5 em 5 dias», ou seja 32.868 contas de Depósito a Prazo (mais 51% que as actuais) até final do ano, indica o plano, assinado pelo presidente do BPN e vice-presidente da Caixa Geral de Depósitos, Francisco Bandeira.

A nova administração do BPN, nomeada pelo Governo, também impôs como objectivo angariar 54.780 novos clientes (um aumento de cerca de 21%), passando dos actuais 256 mil para 311 mil.

O BPN fixa como meta que cada um destes 54.780 novos clientes venha a ter cartão de débito, adira ao BPN Interactivo (site do banco) e que todos façam domiciliação de ordenado.

Por outro lado, o plano prevê que metade destes clientes angariados adiram a cartões de crédito BPN, passando dos actuais 20.777 cartões de crédito para os 48.167 (mais 131,8%), e que também metade destes novos clientes adiram a uma conta ordenado, o que representa um acréscimo de 212,4%.

O «Plano de Dinamização Comercial 2009» foi apresentado aos colaboradores da rede de agências, está datado de 28 de Fevereiro.