O macho do único casal de águia-imperial que nidificou em Portugal no ano passado foi morto por chumbos de caçadeira, anunciou esta segunda-feira o Instituto da Conservação da Natureza e da Biodiversidade (ICNB), que vai apresentar uma queixa-crime ao Ministério Público, diz a Lusa.

«O animal foi encontrado morto junto ao seu ninho na passada semana, na área do Vale do Guadiana, numa zona abrangida por uma zona de caça associativa», refere em comunicado o ICNB.

A necrópsia revelou que a ave foi atingida por chumbos de caçadeira, adianta o Instituto, estimando que a morte tenha ocorrido entre os dias 21 e 23 de Fevereiro.

Queixa contra «incertos»

De acordo com o ICNB, este era o macho do único casal desta espécie protegida que nidificou com sucesso em 2008 em Portugal.

A cria já tinha abandonado o ninho, refere o instituto, sublinhando que o abate desta águia configura «uma contra-ordenação ambiental muito grave, em conformidade com o Regime Jurídico da Conservação da Natureza e da Biodiversidade (Decreto-Lei nº 142/2008, de 24 de Julho)».

O ICNB já informou o Serviço de Protecção da Natureza e do Ambiente (SEPNA) da GNR sobre esta ocorrência e anunciou que vai apresentar uma queixa-crime ao Ministério Público contra «incertos».

Menos de aves dez desta espécie em Portugal

A águia-imperial (aquila adalberti) é uma das aves de rapina mais ameaçadas do mundo, tendo o seu estatuto sido classificado como «Em Perigo de Extinção».

Em Portugal, estima-se que existam menos de 10 aves desta espécie, confirmando-se a sua presença no troço superior do rio Tejo e respectivos afluentes, na bacia do rio Guadiana, nomeadamente nas Zonas de Protecção Especial (ZPE) de Moura/Mourão/Barrancos, Vale do Guadiana e Castro Verde.