“Prevê-se que esta descoberta irá levar a uma nova era na utilização do grafeno em dispositivos microeletromecânicos”, antevê Andrei Kholkin, cientista do Departamento de Física e do Instituto de Materiais da Universidade de Aveiro, que lidera a equipa de investigação.


“A partir desta descoberta, a frequência da ressonância piezoelétrica pode ser levada para a gama dos giga-hertzs, com um fator de qualidade sem precedentes”, garante.


Nature Communications

“Este material tem propriedades excecionais”, esclarece Andrei Kholkin salientando “a capacidade de conduzir a eletricidade e o calor, mas oferecendo uma resistência mecânica 100 vezes superior ao aço em relação ao qual é mais leve”.