A Associação Sindical dos Profissionais da Polícia (ASPP/PSP) manifestou preocupação com os cortes previstos para setor da segurança interna na proposta do Orçamento do Estado para 2015, considerando que a redução vai ter impacto na PSP.

«O orçamento, apesar de não ser esclarecedor na sua totalidade para a PSP, deixa aqui algumas pontas que nos deixa muito céticos», disse à agência Lusa o presidente da ASPP, Paulo Rodrigues.

A segurança interna vai ter um orçamento de 1.963 milhões de euros em 2015, correspondendo a uma diminuição de 4,2 por cento face a 2014, segundo a proposta do Orçamento do Estado para 2015 entregue no parlamento na quarta-feira.

Paulo Rodrigues adiantou que a proposta de orçamento deixa algumas preocupações no que toca à intenção de congelar as pré-aposentações e limitar novos ingressos na PSP.

«Neste momento a falta de efetivos já é uma realidade e ao não haver ingressos na PSP vai criar um problema grave e preocupante», disse o presidente da ASPP, sublinhando que o efetivo vai «envelhecer ainda mais» com o congelamento das pré-aposentações.

O presidente do sindicato mais representativo da PSP manifestou dúvidas em relação ao tipo de trabalho que pode ser desenvolvido por polícias com mais de 55 anos.

Paulo Rodrigues afirmou ainda que a redução do orçamento do Ministério da Administração pode também ter reflexos no estatuto profissional da PSP, que neste momento está a ser elaborado.

«Numa altura em que se está a alterar o estatuto, uma redução no orçamento do MAI pode significar o não conseguir ir ao encontro das expetativas em relação ao estatuto, isso deixa-nos muito preocupados porque os polícias esperam ver resolvidas algumas lacunas deixadas pelo atual estatuto», frisou.