O socialista Álvaro Beleza disse este domingo que o partido terá de ter uma discussão interna após as legislativas deste domingo e uma comissão política é "poucochinho" para o momento.

"O secretário-geral manifestou vontade de continuar. Isso abona a favor da ética republicana de uma forma transparente, mas teremos de ter uma discussão interna e é poucochinho uma comissão política, tem de haver mais", disse Beleza aos jornalistas no Hotel Altis, em Lisboa, onde os socialistas se reuniram para acompanhar a noite eleitoral.


O socialista falava poucos minutos depois da intervenção de Costa onde foi anunciada uma reunião da Comissão Política do partido na terça-feira para discutir "serenamente" os resultados das legislativas, onde a coligação PSD/CDS-PP é a força partidária mais votada com 36,95% dos votos e com 93 mandatos, quando estão apurados os resultados provisórios em 3086 das 3092 freguesias.

Beleza, ainda dirigente do PS e membro do Secretariado Nacional de António José Seguro, disse ter a autoridade de "quem tudo fez para a união do partido, para que o partido se apresentasse unido às eleições", para falar do resultado eleitoral desta noite.

E acrescentou: "O secretário-geral do partido está no seu direito, diz que não se demite, é uma opção, o que estou a dizer é que não se compreenderia que não se fizesse um debate interno e ele vai existir".

No final das suas declarações à imprensa antes de abandonar a unidade hoteleira, Álvaro Beleza declarou esperar que o PS ganhe as eleições presidenciais de 2016, lembrando que há "uma candidata que foi presidente do partido" e que, acredita, ganhará o sufrágio.

Álvaro Beleza foi um dos socialistas responsáveis pela transição entre as direções de António José Seguro e António Costa.