[Notícia actualizada com mais citações]

O presidente executivo da Sonaecom avançou esta segunda-feira que o nível de investimento realizado este ano não deverá ser igual ao do ano passado, apesar de garantir que as condições para acelerar esse investimento são hoje melhores. Quanto ao plano da empresa para as redes de fibra, defendeu: «regulador não esteve a altura».

Sonaecom vai aumentar número de colaboradores

Segundo Ângelo Paupério, «investir ao nível do ano passado não se pode manter em permanência, nem sequer será sustentável, até porque os percentuais em receitas, em 2008, foram muito elevados», adiantou.

Na conferência de imprensa de apresentação dos resultados relativos a 2008, que decorreu no Porto, Paupério disse ainda que «a empresa está hoje melhor preparada para acelerar o investimento». Para tal, serão necessários «incentivos legislativos e de regulação», já que a meta da empresa passa por ter um free cash flow positivo este ano, a menos «que hajam novos investimentos acrescidos, nomeadamente ao nível da fibra óptica».

Fusão é «racional», mas não está na agenda

O presidente da Sonaecom disse ainda sentir «alguma frustração» pela falta de celeridade da Autoridade Nacional das Comunicações (Anacom) no que diz respeito à regulamentação das Redes de Nova Geração (RNG).

«Pusemos a oferta comercial no mercado e sentimos alguma frustração pelo facto do regulador não ter dado cobertura suficiente para pôr estes projectos a andar», sustentou.

O empresário explicou que podem vir a ocorrer mudanças regulamentares e legislativas que incentivem os investimentos nas Redes de Nova Geração. «Se essas alterações entrarem em vigor e incentivarem os investimentos, então podemos antecipar o investimento na rede de fibra óptica», cujo plano era investir 240 milhões até 2011.

Paupério lembrou ainda que foram geradas expectativas de que haja algum tipo de garantia em termos de financiamento.

«Temos mantido conversas com o sistema financeiro em geral, mas é importante saber como é que se vai materializar o tipo de apoio que o Governo possa canalizar para estes investimentos [das RNG]», atirou.