Chuva forte coloca sete distritos do continente e Madeira sob aviso laranja

SS

O IPMA prevê para hoje no continente céu muito nublado, chuva, por vezes forte, e condições favoráveis à ocorrência de trovoada

Sete distritos de Portugal continental e a Madeira estão esta sexta-feira sob aviso laranja devido à previsão de chuva por vezes forte e acompanhada de trovoadas, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

De acordo com o IPMA, os distritos de Viana do Castelo, Braga, Porto, Vila Real, Aveiro, Guarda e Viseu vão estar sob aviso laranja, o segundo mais grave de uma escala de quatro, entre as 15:00 e as 21:00 desta sexta-feira, devido à previsão de períodos de chuva, por vezes forte e acompanhada de trovoadas.

PUB

A Madeira também está sob aviso laranja até às 09:00 devido à chuva.

O IPMA colocou ainda sob aviso laranja toda a costa portuguesa, entre as 18:00 de sábado e as 15:00 de domingo, prevendo-se ondas de sudoeste com 5 a 7 metros, podendo atingir os 12 metros.

O Instituto emitiu também aviso amarelo, terceiro na escala de quatro, para a Madeira e para os distritos de Bragança, Coimbra, Castelo Branco, Leiria, Santarém, Lisboa, Portalegre, Évora, Beja, Setúbal e Faro até às 06:00 de sábado, devido a chuva por vezes forte e acompanhada por trovoada.

Estes distritos e a Madeira estão ainda sob aviso amarelo até ao final do dia de hoje por causa da previsão de vento forte com rajadas até 100 quilómetros por hora.

O aviso laranja indica uma situação meteorológica de risco moderado a elevado. O aviso amarelo é emitido sempre que há situação de risco para determinadas atividades dependentes da situação meteorológica.

O IPMA prevê para hoje no continente céu muito nublado, períodos de chuva ou aguaceiros, por vezes fortes e de granizo, condições favoráveis à ocorrência de trovoada, neblina ou nevoeiro e pequena subida de temperatura.

PUB

A previsão aponta ainda para vento moderado de sul, soprando moderado a forte, com rajadas até 85 quilómetros por hora em especial no litoral, e sendo forte, com rajadas até 110 quilómetros por hora, nas terras altas, rodando gradualmente para sudoeste a partir do final da tarde.

As temperaturas mínimas vão oscilar entre os 8 graus Celsius (na Guarda) e os 14 (em Faro) e as máximas entre os 10 graus na Guarda e os 18 (em Braga).

Na Madeira prevê-se céu geralmente muito nublado, períodos de chuva, por vezes forte e persistente até meio da tarde, passando a regime de aguaceiros no final do dia, condições favoráveis à ocorrência de trovoada e vento moderado a forte de sudoeste, com rajadas até 100 quilómetros por hora, soprando forte a muito forte com rajadas até 130 quilómetros por hora nas terras altas, diminuindo de intensidade e rodando para oeste no final do dia.

No Funchal as temperaturas vão variar entre 16 e 21 graus.

Seis barras do continente fechadas e quatro condicionadas

PUB

Seis barras do continente estão esta sexta-feira fechadas a toda a navegação e outras quatro estão condicionadas devido à agitação marítima forte, de acordo com a Marinha Portuguesa.

Segundo a Marinha, as barras marítimas de Caminha, Vila Praia de Âncora, Esposende, Douro, São Martinho do Porto e Ericeira estão fechadas à navegação.

As barras de Aveiro e da Figueira da Foz estão fechadas a embarcações de calado superior a 15 metros e a de Viana do Castelo a embarcações com 11 metros.

A Marinha indica ainda que nas barras marítimas de Vila do Conde e da Póvoa de Varzim as embarcações com calado superior a dois metros devem usar a barra entre duas horas antes e duas horas depois da preia-mar.

Por causa da agitação marítima, o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), colocou a Madeira e toda a costa portuguesa sob aviso amarelo e, no sábado, sob aviso laranja (só distritos de Viana do Castelo, Braga, Porto, Vila Real, Aveiro e Viseu)

A Marinha e a Autoridade Marítima Nacional estão a alertar para o agravamento das condições do estado do mar nos próximos dias, com ondulação entre os 8 e os 12 metros.

As condições do estado do mar vão ser fortes. A situação vai alterar-se e a ondulação pode andar entre os 8 e os 12 metros, com possibilidade de galgamento em algumas zonas”, disse à Lusa o comandante Fernando Pereira da Fonseca, porta-voz da Marinha e da Autoridade Marítima Nacional.

PUB

MAIS LIDAS
ÚLTIMAS